Monteiro Lobato e um Brasil por ser construído (ou reproduzido?)

Jussaramar da Silva, Nataniél Dal Moro, Ricardo Correia Marcondes

Resumo


O objetivo deste artigo é discutir como o projeto eugênico, tão em voga no Brasil do início do século XX, pensava a população brasileira, em particular na década de 20. Para tanto, utilizamos sobremaneira uma das muitas obras de Monteiro Lobato, qual seja: “O Presidente Negro”, que foi escrita no último lustro da década de 1920. De forma abrangente, analisamos, com o auxílio de outros autores, como o Brasil era visto neste período pelo eugenismo e, também, destacamos algumas das características do eugenismo que contribuíram para a construção do Estado Nacional brasileiro à época. Em particular, analisamos a referida obra de Lobato enfocando três questões: a fronteira imagética, a fronteira entre o rural e o urbano e, por fim, a fronteira física.

Palavras-chave


Eugenismo; Fronteira imagética; Cidade; Fronteira física

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.