Prostituição, cidade e imprensa: um ensaio sobre Aracaju na Era Vargas (1937-1945)

Waldefrankly Rolim de Almeida Santos, Eudorica Luciana Almeida Leão

Resumo


O presente artigo pretende analisar algumas representações sócio-espaciais que envolvem o passado da cidade de Aracaju durante o regime ditatorial do Estado Novo no Brasil (1937-1945). A imprensa periódica, os memorialistas e os escritores que a descreveram se detiveram na caracterização dos espaços da cidade e na produção de representações sócio-espaciais, muitas vezes contraditórias. A imprensa, por exemplo, se ocupou, nessa época, em exibir as ações do governo para conter os problemas que poderiam ameaçar as políticas eugenistas do Estado, e contribuiu para personificação e combate à prostituição feminina e aos espaços de sua atuação. No foco das representações, também se destacam, entre outras coisas, a periferia da cidade, os espaços de lazer e sociabilidades e sua população. Memorialistas e escritores, somados a imprensa periódica (e as diversas vozes e representações que se revelam), se fizeram muito importantes como instrumento de caracterização e caricaturização dos espaços e dos consumidores da cidade, bem como, foram (são) responsáveis por alimentar uma determinada compreensão dos corpos e dos papeis sociais dos gêneros no espaço urbano aracajuano.

Palavras-chave


Prostituição; Imprensa; Espaço Urbano

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.