Números reais no contexto de uma comunidade escolar surda: um estudo com ênfase em registros figurais

Lucas José de Souza, Rita de Cássia Pistóia Mariani

Resumo


O presente artigo objetiva analisar mobilizações de representações semióticas de números reais, a partir de registros figurais, por estudantes surdxs que cursam o 1º ano do Ensino Médio de uma escola pública de Educação Bilíngue localizada em Santa Maria – RS. Para tanto, desenvolve-se uma sequência composta por sete tarefas, envolvendo o material manipulável tangram, bem como régua e compasso. A pesquisa se ampara na metodologia qualitativa, sob a forma de estudo de caso, seguindo critérios da análise de conteúdo. Como referencial adotam-se pressupostos dos registros de representação semiótica, que permitem estabelecer análises cognitivas para compreender articulações de sistemas representativos. Em consonância com a análise de conteúdo, foram estabelecias quatro unidades de registro para compor as categorias: representações fracionárias de números racionais; representações decimais e percentuais de números racionais; representações geométricas de números reais e representações icônicas de números reais. Conclui-se que as representações icônicas das formas do tangram oportunizam transformações, que mobilizam sistemas de representação numérica para números irracionais e fracionária para números racionais. Esse viés é subsidiado, respectivamente, ao analisar medidas de lados, com apoio de comparações entre peças e suporte ao teorema de Pitágoras, e ao determinar áreas de figuras planas, por meio de uma relação parte-todo desencadeada a partir do recurso. Ademais, o desenvolvimento das tarefas contempla a mobilização de uma diversidade de registros semióticos, ao envolver atividades que exploram representações numéricas decimais e percentuais, além de representações geométricas, pela localização de pontos na reta. Nesse sentido, são analisadas distintas características do objeto matemático números reais, conforme os conteúdos evidenciados em cada um dos sistemas representacionais envolvidos. Essa forma de acessar conceitos permite a estruturação do conhecimento matemático, através de relações entre qualidades que as representações anuem, não se limitando ao inócuo estudo de regras e fórmulas.

Palavras-chave


Representações Semióticas; Escola de Surdos; Ensino Médio.

Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União. Brasília, 1996.

BORGES, F. A.; NOGUEIRA, C. M. I. Um panorama da inclusão de estudantes surdos nas aulas de matemática. In: NOGUEIRA, C. M. I. Surdez, inclusão e matemática. Curitiba: CRV, 2013.

CAPOVILLA, F. C.; RAPHAEL, W. D. Dicionário enciclopédico ilustrado trilíngue da Língua de Sinais Brasileira. 3. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

DAMM, R. F. Registros de Representação. In: MACHADO, Silvia Dias Alcântara. et. al. Educação Matemática: uma introdução. São Paulo: Educ, p.135-154, 1999.

DUVAL, R. Registros de representações semióticas e funcionamento cognitivo da compreensão em matemática. In: MACHADO, S. D. A. (Org.). Aprendizagem em matemática – registros de representação semiótica. Campinas: Papirus, 2003.

DUVAL, R. Semiósis e pensamento humano: registros semióticos e aprendizagens intelectuais. Tradução de Lênio Fernandes Levy; Marisa Rosâni Abreu da Silveira. São Paulo: Livraria da Física, 2009.

DUVAL, R. Ver e ensinar a matemática de outra forma: entrar no modo matemático de pensar: os registros de representação semiótica. Tradução de Marlene Alves Dias. São Paulo: PROEM, 2011.

DUVAL, R. Abordagem cognitiva de problemas de geometria em termos de congruência. Tradução de Méricles Thadeu Moretti. Revemat: Revista Eletrônica de Educação Matemática, Florianópolis, v. 7, n. 1, p. 118-138, 2012a.

DUVAL, R. Registro de representações semióticas de funcionamento cognitivo do pensamento = Registres de representation sémiotique et fonctionnment cogitif de lapensée. Tradução de Méricles Thadeu Moretti. Revemat: Revista Eletrônica de Educação Matemática, Florianópolis, v. 7, n. 2, p. 266-297, dez. 2012b.

FERNANDES, P. D. A inclusão dos alunos surdos e/ou deficientes auditivos nas disciplinas do Centro de Ciências Exatas e Tecnologia da Universidade Federal de Sergipe. 2014. 234 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática), Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2014.

FRIZZARINI, S. T. Estudo dos registros de representação semiótica: implicações no ensino a aprendizagem da álgebra para alunos surdos fluentes em língua de sinais. 2014. 288f. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência e Matemática) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2014.

GESSER, A. LIBRAS? Que língua é essa?: crenças e preceitos em torna da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

JESUS, T. B. (Des)construção do pensamento geométrico: uma experiência compartilhada entre professores e uma aluna surda. 2014. 183f. Dissertação (Mestrado profissional em Educação em Ciências e Matemática) – Instituto Federal do Espírito Santo, Vitória, 2014.

LORENZATO, S. Laboratório de ensino de matemática e materiais didáticos manipuláveis. In: LORENZATO, S. (Org.). O laboratório de ensino de matemática na formação de professores. Campinas: Autores Associados, 2006.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

RIO DE JANEIRO. A educação que nós surdos queremos. Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos (FENEIS). Documento elaborado no pré-congresso ao V Congresso Latino Americano de Educação Bilíngue para Surdos. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1999.

ROCHA, F. B. M. Ensinando geometria espacial para alunas surdas de uma escola pública de Belo Horizonte (MG): um estudo fundamentado na perspectiva histórico cultural. 2014. 199 p. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação Matemática) – Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2014.

SACKS, O. W. Vendo vozes: uma viagem ao mundo dos surdos. Tradução de Laura Teixeira Mota. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

SALES, E. R. A visualização no ensino de matemática: uma experiência com alunos surdos. 2013. 237 p. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Rio Claro, 2013.

SMOLE, K. S.; DINIZ, M. I. Matemática – Ensino Médio. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2005. 1 v.

SOUZA, L. J. Surdez no contexto da Educação Matemática: um estudo sobre o conjunto dos números reais a partir de registros de representação semiótica e o tangram. 2019. 224 p. Dissertação (Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática e Ensino de Física) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2019.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e método. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

YIN, R. K. Pesquisa qualitativa do início ao fim. Tradução de Daniel Bueno. Porto Alegre: Penso, 2016.




DOI: https://doi.org/10.23925/2358-4122.2019v7i1p105-129

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Ensino da Matemática em Debate (ISSN 2358-4122)

Indexadores:

      

  


Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusiva dos autores.


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional