O espaço da utopia em A Tempestade, de William Shakespeare

Fátima Vieira

Resumo


A Tempestade é normalmente definida pela crítica shakespeareana como “a mais utópica” das peças do bardo inglês. Contudo, a descrição do seu carácter utópico não tem sido feita com base em conceitos fundamentais da área dos Estudos sobre a Utopia. Neste artigo, proponho-me analisar a peça à luz do conceito de “modo utópico” definido por Krishan Kumar, para chegar à conclusão de que, embora A Tempestade não possa ser considerada uma peça utópica, a presença da Utopia de Thomas More faz-se sentir no espaço de referências que ela evoca, isto é, no espaço da intertextualidade.

Palavras-chave


Utopia; intertextualidade; Shakespeare

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em: