Poesia e transcendência nos Quatro Quartetos, de T. S. Eliot

Alcides Cardoso dos Santos

Resumo


Tidos pela crítica como o ponto mais alto da obra de T. S. Eliot, os Quatro Quartetos perfazem uma reflexão poética sobre o tempo, na qual a influência de Henri Bergson é notável. Gostaríamos de mostrar, no curto espaço deste texto, como o uso poético que Eliot faz do conceito bergsoniano de duração permite ao poeta articular poesia e pensamento de forma peculiar e própria à sua poesia. A peculiaridade desta articulação poesia-pensamento nos Quatro quartetos, este é o segundo ponto que gostaríamos de mostrar, envolve fundamentalmente um sincretismo filosófico-poético-religioso que já pode ser detectado nos primeiros poemas, mas que toma sua forma plena nos Quatro Quartetos.

Palavras-chave


Quatro Quartetos; Eliot; poesia; pensamento; sincretismo

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em: