A máscara do erotismo na "Ode Marítima": êxtase e geometria

Aline Carla Dalmutt, Maria Natália Ferreira Gomes Thimóteo

Resumo


O presente trabalho pretende fazer uma leitura da “Ode Marítima” de Fernando Pessoa, assinada por Álvaro de Campos, o Engenheiro Sensacionista. A essência deste heterônimo está em olhar para o mundo e o homem sob um ângulo dialético, numa plataforma onde tudo se cruza, se completa e se anula, sob um olhar que é “uma perversão sexual”. Nesta ode, o olhar “sente tudo de todas as maneiras”, e isto implica em trabalhar as sensações em todos os seus desdobramentos, salientando-se aqui o erotismo mascarado no discurso multiplicador de sensações sadomasoquistas, numa narrativa infrutífera de fugir à angústia metafísica e da “vida sentada, regrada e revista”. A euforia/disforia do Campos das “Odes” é fictícia, mais uma máscara, “pura miragem”.


Palavras-chave


Fernando Pessoa; Álvaro de Campos; Sensacionismo; Erotismo

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em: