DA ÁGUA – Entre a terra e o ar – em narrativas visuais para a infância

Ana Margarida Ramos, Sara Reis da Silva

Resumo


Neste estudo, pretende-se refletir sobre os livros-álbum sem texto de autores portugueses, uma modalidade artística e editorial emergente na edição nacional. A análise apresentada filia-se nos estudos mais recentes sobre o livro-álbum (Salisbury e Styles, 2012; Serafini, 2014; Kümmerling-Meibauer, 2015), em particular nos dedicados à narrativa visual, também designada como livro sem texto ou livro de imagens (Arizpe, 2014; Beckett, 2014; Bosh, 2014). De natureza sofisticada e reclamando, por vezes, a realização de conexões intertextuais, os livros-álbum sem texto exigem que o leitor, com um olhar atento e perspicaz, realize inferências, interprete sugestões implícitas, reconstrua sequências a partir das relações espácio-temporais, interprete pormenores ou descubra estados de espírito das personagens, ou seja, que invente ele mesmo o/um texto, tornando-se conarrador. A partir da seleção e da análise de um corpus com ligação ao tema da água, designadamente da autoria de Bernardo Carvalho, Marta Monteiro e João Fazenda, procura-se proceder à caracterização destes volumes, tendo em conta as soluções formais e gráficas que apresentam.


Palavras-chave


Livro-álbum sem texto; ilustração; narrativa; água; leitura

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.23925/1983-4373.2017i18p130-147

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em:

Apoio: