O lugar do "outro" na autoficção: o antagonismo do "eu" nos romances Berkely em Bellagio e Lorde

Ânderson Martins Pereira, Ariane Avila Neto de Farias, Mariane Pereira Rocha

Resumo


A autoficção redimensiona os limites da fronteira entre o real e o ficcional, por se inscrever em um entre-lugar de ambos conceitos. Este gênero, por possuir um referente no mundo real, tem fomentado a aparição de sujeitos fragmentados que são reflexos da contemporaneidade. Dito isto, este artigo busca, a partir das contribuições de Mendes (2000) sobre o estudo do “outro” na literatura, discorrer sobre as relações entre o “eu” com o “outro” e as mutuas transformações decorrentes de tal contato. Para este fim, Berkeley em Bellagio (2002) e Lorde (2004) foram eleitos para análise, sendo ambos romances autoficcionais do escritor João Gilberto Noll e ambos demonstrando uma tensão entre o narrador e sua relação com o “outro”.


Palavras-chave


O “outro”; Autoficção; João Gilberto Noll.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.23925/1983-4373.2019i22p40-54

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em: