Literatura e jornalismo: limiares

Maria Rosa Duarte de Oliveira

Resumo


O artigo focaliza os vínculos entre literatura e jornalismo a partir de algumas zonas de tensão, nas quais, mais do que fronteiras, o que se estabelece são “passagens” e “limiares”, que suspendem a separação estrita entre o literário e o jornalístico. A partir da perspectiva do campo enunciativo do discurso e de seus efeitos sobre a recepção, a análise centra-se em dois momentos: no primeiro, o foco está na atuação de escritores-jornalistas, como é o caso de Machado de Assis, em periódicos do século XIX e,  no segundo, está num experimento realizado em livro anterior da autora – João Goulart na imprensa: de personalidade a personagem(2001) –, no qual uma figura pública, o presidente João Goulart, é transformada em personagem de um “romance-mosaico” construído a partir da apropriação de notícias, fotografias, charges e manchetes de três dos jornais mais influentes no período: Folha de S.Paulo,O Estado de S.PauloÚltima Hora.


Palavras-chave


Literatura; Jornal; Limiar; Discurso; Personagem

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.23925/1983-4373.2019i22p220-235

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 FronteiraZ. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em: