A alteridade construída na ruptura e na transgressão

Elisabete Alfeld

Resumo


A proposta do estudo é evidenciar  na construção do enredo do filme A forma da água(Del Toro, 2017) a interface fabulação/alteridade. Para isso, organizamos o texto em dois momentos: no primeiro, centramos na criação da fábula e na linguagem audiovisual; no segundo, abordamos a alteridade. O corpus teórico prioriza Blanchot (2010; 2011), Bachelard (1997), Agamben (2009), Deleuze (1997) e Lévinas (1989; 1997). Os aspectos destacados na análise referem-se à: representação do imaginário, metaforização da água; alteridade.


Palavras-chave


Fábula; Imaginário; Alteridade; Amor; Amizade.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.23925/1983-4373.2019i23p205-222

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 FronteiraZ. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em: