A PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS AOS DENUNCIANTES QUE INVESTIGAM ATOS DE CORRUPÇÃO

Marcio Bonini Notari

Resumo


A corrupção vem se apresentando no âmbito das instituições privadas e democráticas, assim como, a nível internacional, entre os setores público e privado. No início da década de 90, começam a surgir uma série de estudos por parte dos organismos internacionais, das agências multilaterais e das organizações não governamentais procurando fornecer uma programação globalizada com temas ligados aos direitos humanos. São inúmeras denúncias noticiadas nos meios de comunicação acerca das práticas corruptivas, o que, acarreta no uso de campanhas anticorrupção por parte de governos para repressão a todos aqueles opositores ou críticos da sua gestão. Isso, de certo, modo pode trazer restrições aos direitos dos denunciantes, contribuindo para violação aos direitos humanos de todo e qualquer pessoa identificada como objetivo político, da transparência e publicidade, da liberdade de expressão e pensamento.  O presente trabalho pretende analisar a proteção dos direitos humanos em seus tratados e convenções internacionais, no que diz respeito aos denunciantes e de todos aqueles que investigam casos de corrupção ligados a ilícitos, práticas fraudulentas em organizações de natureza pública e privada. De tal modo que, a participação do cidadão  mediante o livre exercício da liberdade de expressão e do acesso á informação, possibilita o exercício da cidadania, sem censura estatal, como forma de diminuir a incidência dos atos de corrupção e um controle benéfico ao poder público e a iniciativa privada.


Palavras-chave


corrupção, direitos humanos e denunciantes.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBA, Luiz Eduardo Zavala de. “La Corrupción y los Derechos Humanos: Estableciendo el vínculo”. Instituto Tecnológico y de Estudios Superiores de Monterrey, México: 2009.

ANTONIAZZI, Mariela Morales. Impacto de la corrupción en los derechos humanos. Instituto de Estudios Constitucionales del Estado de Querétaro: México, 2018

ARENDT, Hannah. As Origens do Totalitarismo: São Paulo: Cia de Bolso, 2013.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade e Holocausto. Rio de Janeiro: Zahar Ed., 1998

BITTAR, Eduardo, ALMEIDA, Guilherme de Assis. Curso de Filosofia do Direito. São Paulo, Atlas 2015.

BENTO, Luciano Valle. O Principio da Proteção ao Denunciante: Os Parametros Internacionais e o Direito Brasileiro. Revista Novos Estudos Juridicos, UNVALI/SC, 2005.

BOBBIO, Norberto. A era dos direitos; tradução Carlos Nelson Coutinho; apresentação de Celso Lafer. Nova ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

LEITE. Flamarion Tavares. 10 Lições de Kant. 5.ª Ed. – Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

KANT. Immanuel. A Paz Perpétua e outros Opúsculos. tradução Artur Morão Paulo, 2009.

LAFER, Celso. A reconstrução dos direitos humanos: um diálogo com o pensamento de Hannah Arendt – São Paulo: Companhia das Letras, 1988. 7.ª reimpressão.

LEAL, Rogério Gesta. Patologias Corruptivas nas Relações entre Estado, administração pública e sociedade. Causas, consequências e tratamentos. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2013.

____. As (in)tensas relações entre a ética publica e Administração Pública. LEAL, Rogério Gesta; FRIEDRICH. Denise B. Etica Pública y Patologias Corruptivas, Universidad de Montevideo, 2014.

MASCARO, Alysson Leandro. Filosofia do Direito. São Paulo: Atlas, 2016.

MENDEL, Toby. Liberdade de informação: um estudo de direito comparado. 2.ed. – Brasilia : UNESCO, 2009.

ONU. Convención de las Naciones Unidas contra la Corrupción Guía de recursos sobre buenas prácticas en la protección de los denunciantes, Nueva York, 2016.

ONU. Reporting on Corruption. A Resource Tool for Governments and Journalists. New York, 2014.

PIOVESAN, Flávia. Temas de Direitos Humanos. – 5. ed. – São Paulo: Saraiva, 2012.

RAMINA, Larissa L.O. Ação Internacional contra a Corrupção. Curitiba. Juruá. 2008.

RAMOS, André de Carvalho. Curso de direitos humanos. São Paulo: Saraiva, 2017.

ROJAS, Cláudio Nash. Guia para uso do sistema interamericano de direitos humanos na proteção de denunciantes de atos de corrupção. Brasília: Ministério da Justiça, Secretaria Nacional de Justiça – SNJ, 2014.

SCHILLING, Flávia. Corrupção: ilegalidade intolerável? : comissões parlamentares de inquérito e a luta contra a corrupção no Brasil (1980 – 1922). São Paulo: IBBCRIM, 1999.

https://www.cidh.oas.org/basicos/portugues/c.convencao_americana.htm. Data de acesso: 08.09.2019.

https://www.conjur.com.br/2019-set-08/ministros-supremo-proibem-censura bienal-livro-rio. Data de acesso: 08.09.2019.

https://www.unodc.org/lpo-brazil/pt/corrupcao/convencao.html. Data de acesso: 08.09.2019.

http://www.cidh.org/relatoria. Comissão Interamericana de Direitos Humanos. Relatoria Especial para a Liberdade de Expressão. O direito de acesso à informação no marco jurídico interamericano. Segunda edição. El derecho de acceso a la información en el marco jurídico interamericano. Segunda edición, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.