Capacidade funcional de candidata ao transplante de fígado após fisioterapia: relato de caso

Autores

  • Michelle Duarte Nascimento Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto-SP (FAMERP).
  • José Ivo Filho Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto-SP (FAMERP).
  • Bruna Angélica Reche Martines Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto-SP (FAMERP).
  • Leandro Gomes Mendonça Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto-SP (FAMERP).
  • Marcus Vinicius Camargo de Brito Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto-SP (FAMERP).
  • Lucas Lima Ferreira Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto-SP (FAMERP).
  • Juliana Rodrigues Correia Mello Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto-SP (FAMERP).
  • Odete Mauad Cavenaghi Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto-SP (FAMERP).

DOI:

https://doi.org/10.23925/1984-4840.2017v19i4a10

Palavras-chave:

transplante de fígado, cirrose hepática, mortalidade, atividades cotidianas, reabilitação, fisioterapia

Resumo

Transplante de fígado é um dos procedimentos cirúrgicos mais complexos e invasivos no campo da contemporaneidade médica. A mortalidade pós-cirúrgica está diretamente ligada à experiência da equipe multidisciplinar responsável, sendo a doença hepática avançada responsável por diversas alterações metabólicas. O objetivo do estudo foi avaliar o impacto de um programa de reabilitação física sobre a capacidade funcional em candidata ao transplante de fígado. Foi analisada uma paciente do sexo feminino, de 43 anos, com diagnóstico médico de cirrose biliar primária (fibrose porta portal) havia 6 anos, apresentando antecedentes de hipertensão arterial, diabetes mellitus e dislipidemia. A participante foi avaliada antes do início do protocolo de treinamento, e após, por meio de uma avaliação específica. Inicialmente, foi realizado tratamento fisioterapêutico: (I) avaliação dos sinais vitais; (II) 20 minutos de condicionamento físico, quando os primeiros minutos de exercícios iniciais e os finais foram direcionados ao aquecimento e ao resfriamento, respectivamente; (III) fortalecimento do quadríceps femoral na cadeira extensora; e (IV) 5 minutos de desaquecimento com alongamentos. Assim, este estudo proporcionou melhor abordagem quanto às limitações pessoais e às características da doença, servindo como parâmetro a um futuro programa de tratamento fisioterapêutico, baseado na reabilitação e melhora da capacidade funcional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Michelle Duarte Nascimento, Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto-SP (FAMERP).

Fisioterapeuta graduada pelo Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Araçatuba-SP, em 2014, com experiência clinica pelo estágio de atuação nas áreas de cardiorrespiratória, hidroterapia, ginecologia e obstetrícida, neurologia (adulto infantil), equoterapia, ortopedia, geriatria, ergonomia e fisioterapia hospitalar. Pós-graduanda Lato Sensu e aperfeiçoamento profissional em fisioterapia hospitalar pela Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto-SP (FAMERP). Pós-graduanda Lato Sensu em Fisioterapia Cardiorrespiratória pela Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto-SP (FAMERP).Aperfeiçoanda em Fisioterapia Hospitalar, pela Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto – Famerp

José Ivo Filho, Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto-SP (FAMERP).

Graduado pela Faculdade Anhanguera de Bauru (2010-2014); Aperfeiçoamento em Fisioterapia Hospitalar - FAMERP - Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (2015-2016); Pós-Graduando em Fisioterapia Cardiorrespiratória - FAMERP - Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto.

Bruna Angélica Reche Martines, Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto-SP (FAMERP).

Fisioterapeuta graduada pelo Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Araçatuba-SP, em 2014, com experiência clinica pelo estágio de atuação nas áreas de cardiorrespiratória, hidroterapia, ginecologia e obstetrícida, neurologia (adulto infantil), equoterapia, ortopedia, geriatria, ergonomia e fisioterapia hospitalar. Pós-graduanda Lato Sensu e aperfeiçoamento profissional em fisioterapia hospitalar pela Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto-SP (FAMERP). Pós-graduanda Lato Sensu em Fisioterapia Cardiorrespiratória pela Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto-SP (FAMERP).Aperfeiçoanda em Fisioterapia Hospitalar, pela Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto – Famerp

Leandro Gomes Mendonça, Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto-SP (FAMERP).

Fisioterapeuta da unidade Pós-Operatória e da Reabilitação Pulmonar em Transplante de Pulmão do Hospital de Base da Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto-SP, FAMERP.

Marcus Vinicius Camargo de Brito, Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto-SP (FAMERP).

Fisioterapeuta do Hospital de Base da Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto-SP,FAMERP.

Lucas Lima Ferreira, Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto-SP (FAMERP).

Fisioterapeuta do Hospital de Base da Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto-SP,FAMERP.

Juliana Rodrigues Correia Mello, Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto-SP (FAMERP).

Fisioterapeuta Pós-graduada em Fisioterapia na Saúde da Mulher - FAMERP; Pós-Graduanda em Fisioterapia Cardiorrespiratória - FAMERP.

Odete Mauad Cavenaghi, Fundação Faculdade Regional de Medicina de São José do Rio Preto-SP (FAMERP).

Fisioterapeuta, MEstre em Ciências da Saúde - FAmerp; Docente do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Fisioterapia Cardiorrespiratória - FAMERP.

Referências

Rahimi RS, Rockey DC. Complications and outcomes in chronic liver disease. Curr Opin Gastroenterol. 2011;27(3):204-9. DOI: 10.1097/MOG.0b013e3283460c7d

Rodrigue JR, Hanto DW, Curry MP. Patients’ expectations and success criteria for liver transplantation. Liver Transpl. 2011;17(11):1309-17. DOI: 10.1002/lt.22355

Galant LH, Forgiarini Júnior LA, Dias AS, Marroni CA. Condição funcional, força muscular respiratória e qualidade de vida em pacientes cirróticos. Rev Bras Fisioter. 2012;16(1):30-4. DOI: 10.1590/S1413-35552012000100006

Rosa CB, Klein MB, Forgiarini Júnior LA, Galant LH, Dal Bosco A. Alterações cardíacas e qualidade de vida em doentes hepáticos candidatos ao transplante ortotópico de fígado. Ciênc Movimento. 2011;13(27):27-33. DOI: 10.15602/1983-9480/cmbs.v13n27p27-33

Gao F, Gao R, Li G, Shang ZM, Hao JY. Health-related quality of life and survival in Chinese patients with chronic liver disease. Health Qual Life Outcomes. 2013;11:131. DOI: 10.1186/1477-7525-11-131

Pereira JLF, Figueredo TCM, Galant LH, Forgiarini Junior LA, Marroni CA, Monteiro MB, et al. Capacidade funcional e força muscular respiratória de candidatos ao transplante hepático. Rev Bras Med Esporte. 2011;17(5):315-8. DOI: 10.1590/S1517-86922011000500004

Carey EJ, Steidley DE, Aqel BA, Byrne TJ, Mekeel KL, Jorge Rakela, et al. Six-minute walk distance predicts mortality in liver transplant candidates. Liver Transpl. 2010;16(12):1373-8. DOI: 10.1002/lt.22167

ATS Committee on Proficiency Standards for Clinical Pulmonary Function Laboratories. ATS statement: guidelines for the six-minute walk test. Am J Respir Crit Care Med. 2002;166(1):111-7. DOI: 10.1164/ajrccm.166.1.at1102

Wasserman K, Hansen JE, Sue DY, Casaburi R, Whipp BJ. Principles of exercise testing and interpretation: including pathophysiology and clinical applications. 3rd ed. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins; 1999. p. 556

Borg G. Escalas de Borg para dor e o esforço percebido. 1ª ed. São Paulo: Manole; 2000. p. 125.

Langer D, Probst VS, Pitta F, Burtin C, Hendriks E, Schans CPVD, et al. Guia para prática clínica: fisioterapia em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). Rev Bras Fisioter. 2009;13(3):183-204. DOI: 10.1590/S1413-35552009005000034

Karvonen MJ, Kentala E, Mustala O. The effects of training on heart rate; a longitudinal study. Ann Ned Exp Biol Fenn. 1957;35(3):307-15.

Guedes DP, Guedes JER. Avaliação de aspectos funcionais: sistema musculoarticular. In: Guedes DP, editor. Manual prático para avaliação em educação física. 1ª ed. Barueri: Manole; 2006. p. 416-78.

Simão R, Senna G, Nassif L, Leitão N, Arruda R. Priore M, et al. Influência dos diferentes protocolos de aquecimento na capacidade de desenvolver carga máxima no teste de 1RM. Fit Perf J. 2004;(5):261-5. DOI: 10.3900/fpj.3.5.261.p

Debette-Gratien M, Tabouret T, Antonini MT, Dalmay F, Carrier P. Legros R, et al. Personalized adapted physical activity before liver transplantation: acceptability and results. Transplantation. 2015;99(1):145-50. DOI: 10.1097/TP.0000000000000245

Prudente GFG, Pessoa GS, Ferreira SRR, Nunesa NP, Bravo LG, Macena RHM, et al. Atuação fisioterapêutica no transplante hepático: revisão bibliográfica narrativa e integrativa. UNOPAR Cient Ciênc Biol Saúde. 2015:17(1):51‑5. DOI: 10.17921/2447-8938.2015v17n1p49-53

Kisner C, Colby LA. Exercícios terapêuticos: fundamentos e técnicas. 4ª ed. São Paulo: Manole; 2005.

Hall CM, Brody LT. Exercício terapêutico na busca da função. 2ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2007.

McKenna O, Cunningham C, Gissane C, Blake C. Management of the extrahepatic symptoms of chronic hepatitis C: feasibility of a randomized controlled trial of exercise. Am J Phys Med Rehabil. 2013;92(6):504‑12. DOI: 10.1097/PHM.0b013e31828cd500

Downloads

Publicado

2018-01-29

Como Citar

1.
Nascimento MD, Ivo Filho J, Martines BAR, Mendonça LG, Brito MVC de, Ferreira LL, Mello JRC, Cavenaghi OM. Capacidade funcional de candidata ao transplante de fígado após fisioterapia: relato de caso. Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba [Internet]. 29º de janeiro de 2018 [citado 1º de março de 2024];19(4):215-9. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/RFCMS/article/view/26599

Edição

Seção

Relato de Caso