Avaliação dos níveis das transaminases dos pacientes com infecção pelo Plasmodium vivax atendidos em um centro de referência para tratamento da malária no Estado de Mato Grosso

Elisane de Freitas Pereira, Izabele Linhares Ferreira de Melo Cavalcante, Lilian Gomes dos Santos Tezini, Luciano Teixeira Gomes

Resumo


Objetivo: Analisar os marcadores hepáticos (transaminases) em pacientes com malária causada pelo Plasmodium vivax. Métodos: Trata-se de um estudo transversal retrospectivo, incluindo pacientes que apresentaram monoinfecção pelo P. vivax. O teste de Mann-Whitney U ou o teste t de Student foram utilizados para comparar a atividade média das transaminases de acordo com a classificação clínica e epidemiológica do paciente infectado. O teste de Kruskal-Wallis foi utilizado para comparar a média da atividade das transaminases de acordo com a classificação da infecção. Valores de p<0,05 foram considerados significativos. Resultados: Indivíduos menores de 7 anos apresentaram maior atividade da transaminase glutâmico oxalacética (TGO) e da transaminase glutâmico pirúvica (TGP) — respectivamente, 68,7 U/L e 79,8 U/L — em relação a pacientes com idade de 8 a 59 anos (TGO 29,8 U/L e TGP 39,2 U/L) e acima de 60 anos (TGO 32,5 U/L e TGP 34 U/L). A média da dosagem sérica de TGO de todos os pacientes incluídos no estudo foi de 31,99 U/L e de TGP foi de 41,1 U/L. A atividade de TGP nos pacientes primoinfectados foi maior que nos reinfectados ou com recaída, sendo 65,6 U/L contra 36,2 U/L e 32,7 U/L, respectivamente. Conclusão: Crianças apresentam maior atividade de transaminases que os indivíduos maiores de sete anos de idade. Pacientes com infecção prévia pelo P. vivax apresentam menores valores séricos da atividade das transaminases do que os primoinfectados. Indivíduos com episódios de recaída apresentam menores valores das enzimas avaliadas do que aqueles com reinfecção ou primoinfecção.


Palavras-chave


malária vivax; Plasmodium vivax; transaminases

Texto completo:

PDF

Referências


Who Global Malaria Programme. World Malaria Report: 2015 [Internet]. França: WHO; 2015 [acesso em 05 nov. 2016]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/200018/1/9789241565158_eng.pdf?ua=1

Mioto LD, Galhardi LCF, Amarante MK. Aspectos parasitológicos e imunológicos da malária. Biosaúde. 2012;14(1):42-55.

Martins AC, Araújo FM, Braga CB, Guimarães MGS, Nogueira R, Arruda RA, et al. Clustering symptoms of non-severe malaria in semi-immune Amazonian patients. Peer J. 2015;3:e1325.

Formaglio P, Tavares J, Ménard R, Amino R. Loss of host cell plasma membrane integrity following cell traversal by Plasmodium sporozoites in the skin. Parasitol Int. 2014;63:237-44.

Simões LR, Alves-Jr ER, Silva DR, Gomes LT, Nery AF, Fontes CJF. Fatores associados às recidivas de malária causada por Plasmodium vivax no Município de Porto Velho, Rondônia, Brasil, 2009. Cad Saúde Pública. 2014;30(7):1-15.

Visinoni MR, Ribas JLC. A imunocromatografia como teste de triagem no diagnóstico da malária no município de Curitiba. Rev Saúde Desenvolv. 2016;8(4):174-96.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Ações de controle da malária: manual para profissionais de saúde na atenção básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Henry JB. Diagnósticos clínicos e tratamento por métodos laboratoriais. São Paulo: Manole; 2008.

Paz ERS, Santiago SB. Diagnóstico de malária: a importância da habilidade em microscopia. Saúde Ciênc Ação. 2015;1(1):1-12.

Bertolino P, Bowen DG. Malaria and the liver: immunological hide-and-seek or subversion of immunity from within? Front Microbiol. 2015;6:41.

White NJ. Determinants of relapse periodicity in Plasmodium vivax malaria. Malar J. 2011;10:297.

Doolan DL, Dobaño C, Baird JK. Acquired Immunity to Malaria. Clin Microbiol Rev. 2009;22(1):13-36.

Pacheco MA, Lopez-Perez M, Vallejo AF, Herrera S, Arévalo-Herrera M, Escalante AA. Multiplicity of infection and disease severity in Plasmodium vivax. PLoS Negl Trop Dis. 2016;10(1):e0004355.

Echeverri M, Tobón A, Álvarez G, Carmona J, Blair S. Clinical and laboratory findings of Plasmodium vivax malaria in Colombia, 2001. Rev Inst Med Trop São Paulo. 2003;45(1):29-34.




DOI: https://doi.org/10.23925/1984-4840.2017v19i3a4

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba. ISSN eletrônico 1984-4840

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.