Inteligência, intuição e ação em Henri Bergson

um caminho para a compreensão da criação artística

Autores

  • Caroline da Silva Lourenzone Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"
  • Maria Ester Martins Silva Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

DOI:

https://doi.org/10.23925/2316-5278.2023v24i1:e61877

Palavras-chave:

Ação, Criação, Duração, Inteligência, Intuição

Resumo

Nosso objetivo é discutir sobre o papel da ação na constituição da inteligência e suas implicações para a ação estética na filosofia de Henri Bergson. Sendo, para esse filósofo, o conhecimento humano moldado, em larga medida, pela inteligência – faculdade intimamente relacionada a uma compreensão determinista – como poder- se-ia compreender a atividade criadora, em particular a criação artística, a qual está intimamente relacionada com a noção de imprevisibilidade? O artista, como um pintor, por exemplo, por mais que planeje, não sabe como será no final a sua pintura, assim como os momentos e ações de sua vida. Com a criação, ele apresenta a fluidez da duração, a sua criação contínua. Procuramos mostrar que para Bergson a criação artística envolve um distanciamento da inteligência e o envolvimento de outra capacidade humana, liberta das necessidades da ação, ou seja, a intuição.

Palavras-chave: Ação. Inteligência. Intuição. Duração. Criação.

Metrics

Carregando Métricas ...

Referências

BERGSON, Henri. A evolução criadora. Trad. Adolfo Casais Monteiro. São Paulo: Ed. UNESP, 2010. BERGSON, Henri. Ensaio sobre os dados imediatos da consciência. Trad. Maria Adriana Camargo Cappello.

São Paulo: Edipro, 2020.

BERGSON, Henri. O pensamento e o movente: ensaios e conferências. Trad. Bento Prado Neto. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

COELHO, Jonas Gonçalves. Bergson: tempo e ação. Discurso, n. 32, p. 133-140, 2001. https://doi. org/10.11606/issn.2318-8863.discurso.2001.38056.

COELHO, Jonas Gonçalves. Consciência e matéria: o dualismo de Bergson. São Paulo: Unesp, 2010. FALCÃO, Maria José Braga. Tempo de arte: a espessura necessária para experiências subjetivas. Educação

& Tecnologia, v. 19, n. 2, p. 40-46, 2014.

FRANÇOIS, Arnaud. Y a-t-il une théorie bergsonienne de l’art? Conferência proferida no In: III SEMINÁ-

RIO BERGSON, evento online ocorrido entre os dias 09 e 11 de agosto de 2021.

LEOPOLDO E SILVA, Franklin. Tempo: experiência e pensamento. Revista USP, v. 2, n. 81, p. 6-17, mar./ mai., 2009a. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i81p06-17.

LEOPOLDO E SILVA, Franklin. Ontologia e liberdade em A evolução criadora: A criação. In: PINTO, D. C. M.; MARQUES, S. T. (Orgs.). Henri Bergson: crítica do negativo e pensamento em duração. São Paulo: Alameda, 2009b. p. 23-33.

MOELLWALD, Marina Cabeda Egger. As tensões temporais em Mrs Dalloway. Florianópolis: [s.n.], 2006.

NUNES, Benedito. O tempo na narrativa. São Paulo: Edições Loyola, 2013.

PAIVA, Rita. Da intuição à imagem como contato de interioridades. In: PINTO, D. C. M.; MARQUES, S. T. (Orgs.). Henri Bergson: crítica do negativo e pensamento em duração. São Paulo: Alameda, 2009. p. 55-74.

RODRIGUES, Paulo César. Introdução à filosofia de Bergson. São Paulo: Editora Unesp Digital, 2022.

Downloads

Publicado

2023-11-14

Como Citar

Lourenzone, C. da S., & Silva , M. E. M. (2023). Inteligência, intuição e ação em Henri Bergson: um caminho para a compreensão da criação artística. Cognitio: Revista De Filosofia, 24(1), e61877. https://doi.org/10.23925/2316-5278.2023v24i1:e61877