ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA: VIVÊNCIAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Ilvanete Dos Santos de Souza, Rodrigo dos Santos Ferreira

Resumo


Este trabalho teve como objetivo a reflexão e debate centrados nas experiências oriundas da disciplina de Estágio Supervisionado II, ofertada pelo curso de Licenciatura em Matemática, de uma universidade do Estado da Bahia. As atividades se deram por meio da regência com uma turma do 6º ano do Ensino Fundamental II. Objetiva-se aqui a reflexão e discussão sobre uma série de fatores relacionados à docência, tais como: as relações sociais em sala de aula, a relevância do planejamento, os limites e possibilidades de algumas metodologias, a importância da boa relação entre o domínio da matemática e o bom uso da didática em sala de aula, a relação professor/aluno, os entraves e contingências oriundos da experiência. Das considerações que puderam ser feitas do processo, é interessante mencionar o quanto a prática contribuiu para que muito dos estereótipos divulgados com relação à docência fossem, se não desmistificados, concebidos de forma mais real e mais clara. Além disso, foi também uma oportunidade de colocar em prática muito do que se discute em teoria na academia, evidenciando a necessidade da interdependência entre os componentes específicos, didáticos e pedagógicos para que o trabalho em sala de aula seja eficaz e fundamentado.


Palavras-chave


Estágio Supervisionado; Formação inicial; Matemática; Didática.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. I. D.; PIMENTA, S. G.. Estágios Supervisionados na Formação Docente. São Paulo: Cortez, 2014.

AQUINO, J. G. A indisciplina e a escola atual. Rev. Fac. Educ., São Paulo, v. 24, n. 2, p. 181-204, Júlio 1998 .

BROOKHART, S. M. How to Give Effective Feedback to Your Students [S.l.]: [s.n.], 2008.

CARVALHO, A. M. P. Os Estágios nos Cursos de Licenciatura. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

DAVID, M. M. MS; MOREIRA, P. C. Formação matemática do professor: licenciatura e prática docente escolar. Autêntica, 2013.

FIORENTINI, D.; OLIVEIRA, A. T. C. C. O Lugar das Matemáticas na Licenciatura em Matemática: que matemáticas e que práticas formativas?. Boletim de Educação Matemática, v. 27, n. 47, 2013.

GARCIA, V. C. V. Reflexão e pesquisa na formação de professores de matemática. In: CLOTILDE VANZETTO GARCIA, Vera et al. (Org.). Reflexão e pesquisa na formação de professores de matemática. 1. ed. Porto Alegre: Evangraf, 2011. cap. 2, p. 15-28. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2018.

GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

KOWALTOWSKI, D. C. C. K. et al. O conforto no ambiente escolar: elementos para inteverçoes e melhoria. IX Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído, Foz do Iguaçu, 7 a 10 Maio 2002. 182.

LIMA, J. I. O estágio supervisionado na licenciatura em matemática: possibilidades de colaboração. 2008. 105 f. 2010. Tese de Doutorado. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemáticas),–Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento da Educação Matemática e Científica, Universidade Federal do Pará, Belém. Disponível em: . Acesso em: 13 de março de 2018.

MORALES, P. A relação professor-aluno, o que é, como se faz. 6. ed. São Paulo: Edições Loyola, 1999.

MOSER, Fernanda. O uso de desafios: Motivação e criatividade nas aulas de matemática. 2008. Dissertação de Mestrado. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Disponível em: Acesso em: 26 de março de 2017.

PIMENTA, S. G.; LIMA, S. L. Estágio e Docência. 6ª. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

PINTO, N. B.. O erro como estratégia didática no ensino da matemática elementar. 1998. Tese (Doutorado em Didática) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998. Acesso em: 26 de março de 17.

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Projeto Político Pedagógico. Barreiras: [s.n.], 2015.

SETOR DE COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA. Plano de Curso. Barreias: [s.n.], 2016.

SILVA, R. C. O desenvolvimento da autonomia em sala de aula: uma experiência com professores e alunos. Revista Profissão Docente, v. 4, n. 10, 2004. Disponível em:. Acessado em 26 de março de 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Ensino da Matemática em Debate (ISSN 2358-4122)

Indexadores:

      

  


Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusiva dos autores.


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional