CONCEPÇÕES DE MATEMÁTICA DE ALUNOS DA NOVA EJA EM TEMPOS DE LUTA POR MANUTENÇÃO E AMPLIAÇÃO DE DIREITOS

Eliane Lopes Werneck de Andrade

Resumo


Neste artigo apresenta-se parte dos resultados de um texto dissertativo, defendido em 2016. Nele, procurou-se discutir como são vivenciados os processos de aprendizagem em matemática no Ensino Médio no Programa Nova EJA. Em 2015, este programa substituiu outra politica pública, de aceleração e aprendizagem, denominada Programa Nova EJA, implementada no Rio de Janeiro desde 2013. Para alcançar o objetivo proposto, pesquisamos se e como a metodologia do programa promove a valorização de saberes matemáticos experienciais, advindos das práticas sociais dos alunos. Aulas de matemática do Programa foram observadas em uma escola estadual, assim como entrevistas com cinco alunos desta turma foram realizadas. O objetivo deste artigo é trazer para o público a análise das concepções de matemática dos alunos da Nova EJA e mitos e concepções alienantes na aprendizagem da matemática. A análise dos dados revela que as concepções de matemática dos alunos são baseadas, principalmente, em experiências cotidianas, relacionadas a pequenas transações comerciais, e mostraram-se, relativamente, simplórias. E que a reprodução de concepções passivas e alienadas, observadas nos materiais analisados e nos depoimentos, induz ao aprendizado limitado e à formação estatal de cidadãos “de segunda classe”.


Palavras-chave


Concepções de Matemática. EJA. Política educacional.

Texto completo:

PDF

Referências


ALGEBAILE, E. B. ESCOLA PÚBLICA E POBREZA: expansão escolar e formação da escola dos pobres no Brasil. Tese (Doutorado em Movimentos Sociais e Políticas Públicas). Curso de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense. Niterói, 2004.

BARDIN, L. Análise de conteúdo.Tradução de Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. Edições 70, Lda. Lisboa/Portugal. 1977.

BRASIL. [Lei Darcy Ribeiro (1996)]. LDB: Lei de diretrizes e bases da educação nacional [recurso eletrônico]: Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. – 9. ed. – Brasília : Câmara dos Deputados.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Parecer CNE/CEB nº 6/2010, p. 12, de 07 de abril de 2010.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Parecer CNE/CEB nº 23/2008.

______. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CEB nº 11/2000, de 10 de maio de 2000a. Dispõe sobre as Diretrizes Curriculares para a Educação de Jovens e Adultos. Brasília, DF: 10 de maio de 2000a.

______. SEF/MEC. Secretaria de Educação Fundamental. Relatório de Gestão do Exercício de 2000. 2000b

______. Decreto nº 2.208 DE 17 DE ABRIL DE 1997. Revogado pelo Decreto nº 5.154 de 23 de JULHO DE 2004.

CAMPOS, C. J. G. MÉTODO DE ANÁLISE DE CONTEÚDO: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Rev Bras Enferm, Brasília (DF). 2004 set/out;57(5):611-4.

CECIERJ. Fundação Centro de Ciências e Educação Superior à Distância do Estado do Rio de Janeiro. Matemática e suas tecnologias. Módulo 4 - Matemática /Rio de Janeiro. 2013.

D'AMBROSIO, U. Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

DI PIERRO, M. C.. JOIA, O. RIBEIRO, V. M. R.. Visões da Educação de Jovens e adultos no Brasil. Cadernos Cedes, ano XXI, nº 55, novembro/2001.

EUGÊNIO, B. G. O Currículo na Educação de Jovens e Adultos. ANPED - GT: Educação de Jovens e Adultos / n.18 - 2005.

FANTINATO, M. C. C. B. & DE VARGAS, S. M. Saberes matemáticos do campo e da escola: processos de aprendizagem e educação de jovens e adultos. Quadrante, Vol. XIX, Nº 1, 2010.

FÁVERO, O. Materiais didáticos para a educação de jovens e adultos. Cad. Cedes, Campinas, vol. 27, n. 71, p. 39-62, jan./abr. 2007.

FONSECA, M. C. F. R. Educação matemática de jovens e adultos. Coleção Tendências em educação matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

GADOTTI, M. Pensamento Pedagógico Brasileiro. 4ª ed. São Paulo: Editora Ática, 1991.

HADDAD, S. Ação Educativa. Por uma nova cultura na Educação de Jovens e Adultos, um balanço de experiências de poder local. 30a. Reunião Anual da Anped 7-10 de outubro de 2007 – Caxambu Trabalho encomendado pelo GT 18 – Educação de Jovens e Adultos.

HADDAD, S. DI PIERRO, M. C. Escolarização de jovens e adultos. Revista Brasileira de Educação. Organização não-governamental. Ação Educativa. Mai/Jun/Jul/Ago 2000 Nº 14.

OLIVEIRA, M. K. Ciclos de vida: algumas questões sobre a psicologia do adulto. 2004.

PIOVESAN, A.; TEMPORINI, E. R. Pesquisa exploratória: procedimento metodológico para o estudo de fatores humanos no campo da saúde pública. Rev. Saúde Pública, 29 (4), 1995.

RIBEIRO, V. M. A formação de educadores e a constituição da educação de jovens e adultos como campo pedagógico. Educação e Sociedade. Campinas, dez. 1999, vol.20, nº.68, p.184-201.

RUMMERT, S. M. ALGEBAILE, E. VENTURA, J. Educação da classe trabalhadora brasileira: expressão do desenvolvimento desigual e combinado. Revista Brasileira de Educação, v. 18 n. 54 jul.-set. 2013.

RUMMERT, S. M. & VENTURA, J. P. Políticas públicas para educação de jovens e adultos no Brasil: a permanente (re)construção da subalternidade - considerações sobre os Programas Brasil Alfabetizado e Fazendo Escola. Educar, Curitiba, n. 29, p. 29-45, 2007. Editora UFPR.

SILVEIRA, A. Prática docente em matemática no ensino médio da EJA: um estudo de caso no município de Cabo Frio-RJ. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal Fluminense, Faculdade de Educação, 2013.

SKOVSMOSE, O. Educação Matemática crítica: A questão da democracia. Campinas, SP: Papirus, 2001.

THEES, A. Estudo com professores de matemática de jovens e adultos sobre suas práticas profissionais. 2012. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal Fluminense, Faculdade de Educação, Rio de Janeiro, 2012.

VENTURA, J. A Trajetória Histórica da Educação de Jovens e Adultos Trabalhadores. In: Trabalho e Educação de Jovens e Adultos. Lia Tiriba e Maria Ciavatta (Organizadores). Brasília: Líber Livro e Editora UFF, 2011.

______. A Formação Inicial de Professores para atuar na Educação de Jovens e Adultos Trabalhadores. PROEJA: refletindo o cotidiano: v. 1. Organizadores: Judith M. D. de Araújo e Guiomar do R. B. Valdez. Campos dos Goytacazes (RJ). Essentia Editora, 2012.

VERGETTI, N. Professores de matemática: como concebem o ensino na EJA? Dissertação (mestrado) - Universidade Federal Fluminense, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Ensino da Matemática em Debate (ISSN 2358-4122)

Indexadores:

      

  


Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusiva dos autores.


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional