A FORMAÇÃO INICIAL DO PROFESSOR SURDO DE MATEMÁTICA E SUA INCLUSÃO NO ENSINO SUPERIOR: O CASO MARCOS

Fábio Alexandre Borges, Jurema Lindote Botelho Peixoto

Resumo


O advento da inclusão tensionou, em um primeiro momento e até os dias atuais, principalmente as escolas de Educação Básica a começarem a ressignificar suas configurações de educação. Com o maior número de estudantes com deficiência na Educação Básica, também aumenta-se o número de concluintes e, por consequência, o de ingressantes no Ensino Superior. No caso desta pesquisa, o enfoque foi a inclusão de um estudante surdo no curso de Licenciatura em Matemática de uma IES pública do Estado da Bahia. Como problema de pesquisa, tem-se: Em que aspectos a trajetória formativa de um (futuro) professor surdo de Matemática tensiona os cursos de formação inicial nas universidades a se tornarem mais inclusivos? A pesquisa foi entendida como do tipo Estudo de Caso. Para a coleta dos dados, utilizou-se de entrevistas semiestruturadas com o (futuro) professor surdo e a intérprete de Libras. Para a análise, pautou-se nos pressupostos da Análise de Conteúdo. Dentre os resultados, destacam-se: a importância do diálogo entre as diferentes instâncias responsáveis pelo atendimento dos estudantes com deficiência no Ensino Superior; a necessidade de que as instituições organizem espaços de atendimento especializado; a inclusão de estudantes surdos como favorável à formação dos demais estudantes também numa perspectiva mais inclusiva.


Palavras-chave


Formação inicial; Licenciatura em Matemática; Professor surdo.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei 9394, 20 de dezembro de 1996. Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Brasília, DF: 1996.

BRASIL. Lei no 10.436. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras – e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 24 abr. 2002.

BRASIL. Decreto nº 5.296 de 2 de dezembro de 2004. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2004/Decreto/D5296.htm. Acesso em: 03 ago. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial (SEESP). Política

Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília:

MEC/SEESP, 2008.

BRASIL. Decreto 7611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos, Brasília, DF: 2011.

BRASIL. Lei Brasileira da Inclusão nº. 13.146, de 06 de Julho de 2015. Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Brasília, DF, 2015.

BISOL, C. A.; VALENTINI, C. B.; SIMIONI, J. L.; ZANCHIN, J. Estudantes surdos no Ensino Superior: reflexões sobre a inclusão. Cadernos de Pesquisa, v. 40, n. 139, p.147-172, jan./abr. 2010.

BORGES, F. A. A educação inclusiva para surdos: uma análise do saber matemático intermediado pelo intérprete de Libras. 2013. 260f. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência e a Matemática). Universidade Estadual de Maringá/UEM, Maringá. 2013.

BORGES, F. A.; NOGUEIRA, C. M. I. Quatro aspectos necessários para se pensar o ensino de Matemática para surdos. EM TEIA – Revista de Educação Matemática e Tecnológica Iberoamericana, v.4, n.3, 2013.

BORGES, F. A.; NOGUEIRA, C. M. I. Uma análise do desenvolvimento em atividades matemáticas de alunos surdos inclusos com a intermediação do tradutor intérprete de Libras. Jornal Internacional de Estudos em Educação Matemática, v.8, p.155-181, 2015.

BORGES, F. A.; NOGUEIRA, C. M. I. O ensino e a aprendizagem de Matemática para surdos inclusos: o que dizem intérpretes de Libras? Educação Matemática em Revista-RS, n.17, v.2, pp.121-134, 2016.

CORDEIRO, A. F. M.; RIBEIRO, S. M.; SCHULZE, M. D. Sentidos atribuídos por professores e pais/responsáveis à inclusão de alunos com deficiência no ensino regular. Atos de Pesquisa em Educação. v.8, n.3, p.936-952, set./dez. 2013.

CYRINO, M. C. C. T. Mathematics Teachers’ Professional Identity Development in Communities of Practice: Reifications of Proportional Reasoning Teaching. BOLEMA: Boletim de Educação Matemática (Online), v. 30, p. 165-187, 2016.

DORZIAT, A.; ARAÚJO, J. R. de; SOARES, F. P. O direito dos surdos à educação: que educação é essa? In: DORZIAT, A. (Org.). Estudos Surdos: diferentes olhares. Porto Alegre: Mediação, 2011.

GLAT, R.; PLETSCH, M. D. O papel da Universidade no contexto da política de Educação Inclusiva: reflexões sobre a formação de recursos humanos e a produção de conhecimento. Revista de educação especial, v. 23, n. 38, 2010.

GRIBOSKI, C. M.; ALVES, D. de O.; SILVEIRA, S. M.; FUNGHETTO, S. S. Referenciais de acessibilidade na educação superior e a avaliação in loco do sistema nacional de avaliação da educação superior (SINAES). Parte I – avaliação de cursos de graduação, 2013. Disponível em: http://www.ampesc.org.br/_arquivos/download/1382550379.pdf Acesso em: 02 ago. 2019.

MASUTTI, M. L.; SANTOS, S. A. Intérpretes de Língua de Sinais: uma política em construção. In: QUADROS, R. M. (Org.). Estudos Surdos III. Petrópolis: Arara Azul, 2008.

MORAES, R. Análise de Conteúdo. Revista Educação. Porto Alegre, n.37, março, 1999.

NOGUEIRA, C. M. I.; BORGES, F. A.; CARNEIRO, M. I. N.; FRIZZARINI, S. T. O contrato didático na “Inclusão Contrária”: o cotidiano das aulas de Libras para ouvintes com uma docente surda no Ensino Superior. Revista de Educação do Ideau, v.7, n.16, 2012.

PEIXOTO, J. L. B.; DIAZ, F. Tecnologias digitais e a educação matemática de surdos. REMATEC. Revista de Matemática, Ensino e Cultura (UFRN) , v. 1, p. 179-198, 2013.

PERLIN, G.; STROBEL, K. Fundamentos da educação de surdos. Florianópolis, 2006.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S.L. Estágio e Docência. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2004.

RIBEIRO, C. B.; SILVA, D. N. H. Trajetórias Escolares de Surdos: Entre Práticas Pedagógicas e Processos de Desenvolvimento Bicultural. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v.33, pp.1-8, 2016.

ROCHA, T. B.; MIRANDA, T. G.. A inclusão de Alunos com Deficiência no Ensino Superior: uma análise de seu acesso e permanência. In: DIAZ, F. et al. (Org.) Educação Inclusiva, Deficiência e Contexto Social: questões contemporâneas. Salvador: EDUFBA, 2009. pp. 27-37.

RODRIGUES, D. Dez ideias (mal) feitas sobre a Educação Inclusiva. In: RODRIGUES, D. (org.). Inclusão e Educação: doze olhares sobre a Educação Inclusiva. São Paulo: Summus Editorial, 2006.

RODRIGUES, F. B. M.; GONÇALVES, L. P. A avaliação do aluno surdo em classe inclusiva na rede pública de ensino do Distrito Federal. Linguagens, Educação e Sociedade, Teresina, n.37, jul./dez. 2017.

SCHEMBERG, S.; GUARINELLO, A. C.; MASSI, G. O ponto de vista de pais e professores a respeito das interações linguísticas de crianças surdas. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v.18, n.1, p. 17-32, Jan.-Mar., 2012

SILVA, M. H. C. Quebrando barreiras no ensino superior: breve histórico sobre as ações do NAIPD, Campus de Jequié. Anais [...] VI Seminário sobre Inclusão escolar, Vitória da Conquista, 2013. CD-ROM.

SILVA, C. N. N.; GOMES, K. V. V. A relação surdo-ouvinte e seu impacto na inclusão de estudantes surdos: um estudo a partir da percepção de intérpretes de Libras. Educação, Artes e Inclusão, v.14, n.3, pp.60-81, 2018.

SOARES, B. I. N.; NOGUEIRA, C. I. M.; BORGES, F. A. Diferentes formas de apresentação de enunciados de problemas matemáticos: subsídios para inclusão de estudantes surdos. In: VII SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA. Anais [...]. Foz do Iguaçu, 2018.

STROBEL, K. As imagens do outro sobre a cultura surda. 2. ed. rev. Florianópolis:

Ed. da UFSC, 2009.

YIN, R. Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

ZILIOTTO, D. M.; SOUZA, D. J.; ANDRADE, F. I. Quando a inclusão não se efetiva: a evasão de alunos surdos ou com deficiência auditiva no ensino superior. Revista Educação Especial, v.31, n.62, p.727-740, jul./set. 2018.




DOI: https://doi.org/10.23925/2358-4122.2019v6i3p110-133

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Ensino da Matemática em Debate (ISSN 2358-4122)

Indexadores:

      

  


Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusiva dos autores.


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional