ROBERTO DE MESQUITA E O “ELOGIO DA SOLIDÃO” UMA LEITURA DE ALMAS CATIVAS

Maria Natália Gomes Thimóteo

Resumo


Uma poesia de lugar, de isolamento, assim se pode chamar a poesia de Roberto de Mesquita, em que a paisagem, a cor e expressão de insularidade são o grande tema. Nemésio foi a primeira voz que se ouviu sobre a poesia de Mesquita e ressaltando-lhe a ‘açorianidade’ nas suas Almas Cativas. Canta a tristeza, o mar como prisão e destino, juntando ‘portuguesmente’ Baudelaire e Verlaine, as notas metafísicas de Antero no panteísmo e o sentimento da “.solidão atlântica”. Seu imaginário está repleto de almas, das quais é cúmplice, inclusive da alma do passado, alegorizado pelas ruínas. Para Benjamin, as alegorias são no reino dos pensamentos o que as ruínas são no reino das coisas. É célebre a imagem de Benjamin, sobre o Anjo da História, referindo-se à alegoria do quadro de Klee, “Angelus Novus”. Como o anjo da alegoria, Mesquita é preso ao passado, ouvindo e vendo espectros em cativeiro. Na série de poemas “Relicários” há a complexidade da apreensão da essência do mundo real e os objetos são ‘hierofanias’, de que fala Eliade.

Palavras-chave


Roberto de Mesquita , Poesia , Açorianidade, Lugar

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em:

Apoio: