Baudelaire e o corpo: misticismo, elevação e degradação

Claudio Willer

Resumo


O presente ensaio examina os vários modos de tratar do corpo na poesia de Baudelaire: há um corpo abjeto, degradado; outro sublime; ainda outro artificial; e talvez um corpo ausente, inteiramente sublimado. São apresentados paradigmas, quadros de referência para tratar do assunto. A finalidade é enriquecer a leitura de Baudelaire e contribuir para o exame de sua enorme contribuição.

Palavras-chave


Baudelaire; o corpo e a poesia; ambivalência

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em:

Apoio: