O jogo do verdadeiro e do falso em Umberto Eco. A propósito de O cemitério de Praga

Anne Begenat-Neuschäfer

Resumo


Este artigo analisa O Cemitério de Praga (2011), de Umberto Eco, com vistas ao projeto literário desse autor italiano cuja obra evidencia a intenção de ruptura com as formas e as categorias clássicas da prosa romanesca. Nessa perspectiva, a narrativa examinada admite várias classificações: antirromance, romance policial, trama histórica na qual se inserem documentos oficiais. Em sugestivo diálogo com narrativas folhetinescas de origem francesa, convergindo-se para autores oitocentistas como Eugène Sue e Alexandre Dumas, Eco explora a técnica do “coupe”, na medida em que confia a certos episódicos da intriga a tensão responsável por despertar no leitor a curiosidade para as próximas cenas do texto. Adicione-se ao negaceio do narrador, ao hibridismo de gêneros e estilos, à instauração do simulacro e à estratégia estrutural do mise en abîme, uma voz que contextualiza e traduz o ódio racial, a franco-maçonaria e o antissemitismo.

Palavras-chave


Umberto Eco; Metaficção; Hibridismo; Mise en abîme; Leitor

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em:

Apoio: