Oswald de Andrade e Arnaldo Antunes: poéticas criativas na era da reprodutibilidade técnica, digital e dialógica

Augusto Rodrigues Silva Junior

Resumo


O objetivo deste trabalho é fazer uma análise literária e imagética da produção dos poetas Oswald de Andrade e Arnaldo Antunes. No grande tempo da literatura, este percurso crítico implica analisar as variantes da escrita, em diálogo com as instâncias criativas e performáticas. Nos dois escritores, os recursos híbridos revelam uma arte de fronteiras, em atos de devoração, intersemiose e traduções coletivas – por meio de obras que partem do elemento cinematográfico para a produção literária. A Literatura Brasileira, em sua formação (com Oswald) e reconstrução (com Antunes), pautou-se por uma expressão plural, deslocando a produção individual até o limite das manifestações coletivas. Numa convivência inovadora, estes artistas não buscam a transcendência impossível, mas o diálogo imediato com o outro. Aproximando Literatura e outras artes, o Modernismo, na era da reprodutibilidade técnica, e seus desdobramentos, na era da reprodutibilidade digital, promoveram uma consciência das manifestações artísticas como heterogêneas, multifacetadas e dialógicas.


Palavras-chave


Performance; Poesia; Oswald de Andrade; Arnaldo Antunes.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em:

Apoio: