A Escrita Cinematográfica de Mário de Andrade. Amar, Verbo Intransitivo, uma Lição de Amor à Literatura Brasileira

Claudio Cledson Novaes

Resumo


Analisamos alguns aspectos da reconfiguração ética e estética da narrativa literária brasileira no romance Amar, verbo intransitivo (1927), de Mário de Andrade, em comparação com as transformações do cinema moderno nacional no filme Lição de Amor (1975), dirigido por Eduardo Escorel. O objetivo é perceber Mário de Andrade como mediador de discursos das vanguardas modernas adaptados ao discurso literário nacional, como a incorporação da técnica cinematográfica neste romance neorrealista que encena as configurações locais das tensões fragmentárias da cultura burguesa. A conclusão é que este livro é de suma importância para compreendermos a estética do momento heroico do modernismo literário brasileiro, assim como para desvelar traços éticos do pensamento social de Mário de Andrade nos anos 1920; pudemos ainda concluir sobre a importância do diálogo entre a literatura modernista brasileira e o cinema moderno nacional numa das adaptações fundamentais do pós momento heroico do cinema novo nos anos 1960.


Palavras-chave


Mário de Andrade; Modernidade; Literatura; Cinema

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em: