Metapoética em Com os meus olhos de cão, de Hilda Hist: transcendência como experiência poética-filosófica

Gabriel Victor Rocha Pinezi

Resumo


O presente artigo apresenta uma leitura do tema da transcendência em Com meus olhos de cão, de Hilda Hilst, entendendo-a como um exemplo da configuração metapoética da obra da autora. Tal leitura se baseia na interpretação de Agamben da transcendência enquanto um experimentum linguae, ou seja, uma experiência poética com a linguagem. Assim, pretende-se mostrar de que forma o personagem Amós Kéres, poeta e matemático, simboliza a figura do escritor romântico em busca da originalidade de sua escrita. Narrando o embate de Amós com a experiência de um profundo tédio existencial – em diálogo com o Fausto, de Goethe – Hilda Hilst apresenta o processo de criação (poiésis) como uma experiência formalmente idêntica à do filósofo diante do nada.


Palavras-chave


Metapoética; Originalidade; Experiência Literária; Romantismo; Hilda Hilst

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em:

Apoio: