Poesia, Filosofia, Política

Alberto Pucheu

Resumo


Partindo da insistência de certa crítica especializada em desmerecer a poesia contemporânea brasileira, o ensaio procura pensar uma articulação entre poesia, filosofia e política tanto através da aporia e do espanto quanto a partir de o que Giorgio Agamben trabalha como a “disjunção irremediável entre as singularidades quaisquer e a organização estatal”. Entre outros poetas que poderiam ser aqui abordados, o texto termina com a leitura de poemas explícita e privilegiadamente políticos de Tarso de Melo.


Palavras-chave


Édipo; Aristóteles; Agamben; Tarso de Melo

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em: