Gênero e alteridade no nacionalismo irlandês

Raimundo Expedito dos Santos Sousa

Resumo


O anticolonialismo irlandês pautou-se na maximização de fronteiras de gênero com vistas a acentuar a hombridade dos homens gaélicos em face de sua feminização por um colonialismo que se legitimava ao generizar o liame entre Inglaterra e Irlanda inscrevendo o império no registro masculino e a colônia no feminino. Mediante pesquisa em fontes primárias, investigamos as implicações dessa contraposição na representação de mulheres subversivas que desafiavam uma matriz de gênero dual em que a masculinidade se definia em relação oposicional e complementar com a feminilidade. Tanto as feministas, que antepunham sua agenda à do nacionalismo, quanto as republicanas, que defendiam a nação antes com o rifle do que com o rosário, quanto, eram alterizadas pela intelligentsia nacionalista como aberrações de gênero em descrições caricaturais cujo escárnio mal escamoteava o temor de sua capacidade disruptiva desestabilizar as balizas de gênero que sustentavam o projeto de remasculinização nacional.


Palavras-chave


nacionalismo irlandês; Gênero; Mulheres

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.23925/1983-4373.2017i18p228-248

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.