Ressonâncias hipertextuais e arquiescriturais na literatura contemporânea

Cid Ottoni Bylaardt

Resumo


Este texto relaciona a circulação da palavra hipertexto à noção derridiana de arquiescritura, procurando, assim, mostrar como o evento do hipertexto nos programas de computador ressoa a própria ideia de arquiescritura que Derrida introduz em sua Gramatologia. Assim, ambas as noções contribuem para a não-fixação dos sentidos, para a suspensão e a disseminação do significado e da referência, por mais que elas pareçam estar “esclarecendo”, determinando, cercando os significados. Teríamos então uma disseminação pelo excesso. O objetivo desta comunicação é mostrar como os traços predominantes do hipertexto e da arquiescritura derridiana se fazem presentes na literatura contemporânea, naquilo que ela possui de errância e dispersão. Assim, a arte, a literatura, e particularmente a poesia ocupam seu lugar nesse universo de indeterminações a buscar as fraturas que lhes permitirão fluir em direções insuspeitadas, a festejar (a lamentar?) seu inacabamento, sua incompletude.



Palavras-chave


Hipertexto, arquiescritura, literatura contemporânea

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.23925/1983-4373.2017i18p4-16

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em:

Apoio: