Cultura e leitura: Homo zappiens, um leitor ubíquo

Miguel Rettenmaier, Vagner Ebert

Resumo


Das transformações que ocorreram da cultura à cibercultura nasce um novo homem, o Homo zappiens. Neste estudo, uma pesquisa exploratória, bibliográfica e qualitativa, pretende-se compreender como a tecnologia influenciou a cultura do jovem do século XXI a partir de uma narrativa transmídia, partindo de um estudo sobre a cultura em Roger Chartier (1988; 1995) e Lucia Santaella (2003), do perfil do jovem leitor e das gerações jovens com base em  Diana Oblinger e James Oblinger (2005) e Wim Veen e Ben Vrakking (2009), e dos tipos de leitor de Lucia Santaella (2004), para apresentar e analisar a franquia Assassin’s Creed. Neste estudo foi possível perceber que essas aventuras transmidiáticas são potenciais formadoras de novos leitores que buscam encontrar no universo tecnológico as aventuras que ele próprio, leitor das tecnologias e das palavras, quer imaginar e criar, contribuindo para o desenvolvimento e transformação da cultura que vive.


Palavras-chave


Leitura; Cultura; Homo zappiens; Leitor ubíquo; Assassin’s Creed.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.23925/1983-4373.2017i18p78-97

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em: