Francesca Woodman e o assombro dos fantasmas modernos

Cláudia Linhares Sanz, Fabiane de Souza

Resumo


Distraídos por tantas imagens do cotidiano, os fantasmas hoje mal nos assombram. Neste artigo, entendemos que a fotografia de Francesca Woodman, ao inquietar fronteiras − entre moderno e contemporâneo, presença e ausência, sentido e não sentido, brevidade e permanência − aprofunda o aspecto fantasmal das imagens, deixando comparecer os fantasmas da fotografia moderna, que até há pouco ainda nos assombravam. Na experiência contemporânea, esses fantasmas questionam a torrente de imagens e nos relembram de que no instante podem morar outros tempos, que duram na imagem. E assim, habitando diferentes tempos, entrelaçados às imagens de Woodman, convivem ecos da escritura de autoras como Clarice Lispector, Maria Gabriela Llansol e Ana Cristina César.


Palavras-chave


Fotografia; Francesca Woodman; Imagem-fantasma; Fronteiras; Literatura

Texto completo:

PDF (English)


DOI: https://doi.org/10.23925/1983-4373.2018i20p98-114

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.