Metaficcionalidade em Um sopro de vida de Clarice Lispector

Luana Uchoa Torres

Resumo


Este estudo discute sobre as estratégias metaficcionais do romance Um Sopro de Vida (pulsações) publicado postumamente em 1978, porém escrito no período de 1974-1977, pela escritora Clarice Lispector. Apresentamos e refletimos sobre alguns aspectos comuns às narrativas metaficcionais, tais como: autorreflexividade ou autorreferencialidade; mise en abyme; a relação do papel do leitor e do autor; mímese do processo; e a relação ficção e realidade. Para tanto, a discussão se fundamentou principalmente nas teorias de Linda Hutcheon (1984) e Lucien Dällenbach (1977). Convocamos também, a fim de ampliar o debate, outros autores, tais como Patricia Waugh (1995), Amaryll Chanady (1987) e Laurent Lepaludier (2002).


Palavras-chave


Metaficcionalidade; Narrativa Narcisística; Um Sopro de Vida; Clarice Lispector

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.23925/1983-4373.2019i23p57-73

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2019 FronteiraZ. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em:

Apoio: