Cânone e mercado editorial: uma reflexão sobre a vitalidade de Frankenstein, de Mary Shelley

Eliane Aparecida Galvão Ribeiro Ferreira, Guilherme Magri da Rocha

Resumo


Este artigo tem como propósito apresentar ao leitor uma possibilidade de análise do romance Frankenstein ou o Prometeu Moderno (1818), de Mary Wollstonecraft Shelley (1797-1851), tendo como foco os paratextos da edição publicada pela DarkSide em 2017, traduzida por Márcia Xavier de Brito. Justifica-se a escolha dessa edição, pois eleita, em 2019, como atraente pelos alunos do primeiro ano do curso de Letras da Universidade Estadual Paulista – UNESP, Câmpus de Assis-SP. Na análise da obra de Shelley, busca-se, a partir do aporte teórico da Estética da Recepção (JAUSS, 1994; ISER, 1996 e 1999), refletir sobre sua vitalidade, enquanto marco no cânone ocidental, pois se configurou, conforme José Paulo Paes (1985), como primeiro romance de ficção científica. Na análise dos paratextos da edição da DarkSide (SHELLEY, 2017), pretende-se detectar, em consonância com Roger Chartier (2014) e Gerard Genette (2009), se modificam a relação do leitor com o material escrito.

 

Palavras-chave


Literatura Inglesa; Paratexto; Mary Shelley; Estética da Recepção

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.23925/1983-4373.2020i24p119-137

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 FronteiraZ. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em:

Apoio: