QUANDO A AUTORREGULAÇÃO NÃO OCORRE NA APRENDIZAGEM DA LÍNGUA ESTRANGEIRA

Myriam Crestian Chaves da CUNHA

Resumo


Este artigo trata de processos de autorregulação em alunos desistentes na aprendizagem do francês. Com base em estudos sobre estratégias de aprendizagem e avaliação formativa, analisam-se as estratégias identificadas em escritos reflexivos dos sujeitos da pesquisa. Evidencia-se uma inter-relação nas dificuldades de utilização das estratégias metacognitivas entre o processo do “aprender” e o do “comunicar”, que redundam em estratégias cognitivas escassas e estratégias socioafetivas inapropriadas, o que compromete a aprendizagem. Esses resultados sinalizam a importância de explicitar sistematicamente o manejo das estratégias nas aulas de língua para que os processos de regulação se desenvolvam efetivamente.


Palavras-chave


Ensino/Aprendizagem de Línguas; Francês Língua Estrangeira; Avaliação Formativa; Estratégias de Aprendizagem; Autorregulação.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Intercâmbio está indexada em:

        

Catálogo de Bibliotecas:

ISSN 2237-759X

A Intercâmbio e os textos aqui publicados estão licenciados com uma Licença Creative Commons Attribution-NoDerivatives 4.0 International. Baseado no trabalho disponível em http://revistas.pucsp.br/intercambio. Podem estar disponíveis autorizações adicionais às concedidas no âmbito desta licença em http://revistas.pucsp.br/intercambio.