Duas variedades prosódicas

uma só origem?

Autores

  • Lurdes de Castro Moutinho Universidade de Aveiro
  • Izabel Christine Seara Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.23925/2237.759X.2022V52.e60292

Palavras-chave:

traços prosódico-entoacionais, fonética experimental, falantes portugueses dos Açores, falantes brasileiros de Florianópolis

Resumo

Este artigo tem como objetivo principal apresentar os resultados de uma análise acústica dos parâmetros prosódico-entoacionais de frases declarativas neutras e interrogativas totais produzidas por falantes masculinos, portugueses dos Açores e brasileiros de Florianópolis, extraídas de um corpus mais alargado, o do Projeto AMPER-POR (Atlas Multimédia Prosódico do Espaço Romano para o Português). Serão analisados os parâmetros: duração e F0, a fim de observar eventual presença de traços prosódicos comuns a essas duas variedades. Destaca-se, nos resultados, a proximidade de traços prosódicos entre as comunidades brasileiras e as comunidades açorianas, com exceção de Madalena do Pico, na ilha do Pico, Açores.

Biografia do Autor

Lurdes de Castro Moutinho, Universidade de Aveiro

Possui graduação em Filologia Românica pela Universidade do Porto (1980) e doutorado em Sciences du Langages/Phonétique pela Universidade de Estrasburgo (1988). Atualmente é professora associada da Universidade de Aveiro. Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Linguística. Coordenadora do AMPER-POR. Desempenhou cargos de gestão, nomeadamente o de coordenadora da Comissão Científica do Departamento de Línguas e Culturas; No estrangeiro, lecionou, por convite, diversas disciplinas de Língua e/ou Linguística Portuguesa, orientou seminários em cursos de formação inicial e pós-graduação, tendo também dinamizado workshops nas Universidades de Estrasburgo, Lille III, Nantes, Paris (França); Faculdade de Letras da Universidade de CADI AYY AD, Beni Mellal (Marrocos); Faculdade de Letras, Universidade de Utreque (Holanda); Faculdade de Letras, Universidade de Hamburgo (Alemanha); Departamento de Língua Galega, na Universidade de Santiago de Compostela (Galiza-Espanha); S.Paulo (PUC) e Rio de Janeiro Niterói (UFF-Brasil)

Izabel Christine Seara, Universidade Federal de Santa Catarina

Professora Titular da Universidade Federal de Santa Catarina. Mestre (1994) e Doutora em Linguística (2000) pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Tem Pós-Doutorado pela Université Paris 3 - Sorbonne Nouvelle (Paris-França), realizado no Laboratoire de Phonétique et Phonologie (2012) e pela Universidade de Aveiro, realizado no Laboratório de Fonética (2019). Atua na Graduação em Letras - Português e no Programa de Pós Graduação em Linguística na área: Teoria e Análise Linguística (Linha de Pesquisa: Fonética e Fonologia das Línguas Naturais), no qual orienta trabalhos em nível de mestrado, doutorado e iniciação científica.

Referências

ABRAÇADO, J.; COIMBRA, R. L.; MOUTINHO, L. C. Relação entre acento e entoação numa variedade do PB: análise de caso de um falante do Rio de Janeiro. In: MOUTINHO, L. de C.; COIMBRA, R. L. (Orgs.). I Jornadas Científicas AMPER-POR. Actas, Aveiro, 2007, pp. 101-113.

BERNARDES, M. C. R. A entoação na ilha de São Miguel (Açores), Language Design, [s. l.], n. 2, 2008, pp. 47-55.

BOLÉO, M. P.; SILVA, M. H. S. O Mapa dos Dialetos e Falares de Portugal Continental. Boletim de Filologia, XX, 1962, pp. 85-112 (Comunicação feita ao IX Congresso Internacional de Linguística Românica, Lisboa, 1959).

CARDOSO, S. et al. Atlas Linguístico do Brasil. V.1. Londrina: Eduel, 2014a.

CARDOSO, S. et al. Atlas Linguístico do Brasil. V. 2. Londrina: Eduel, 2014b.

CINTRA, L. Nova proposta de classificação dos dialectos galego-portugueses. Boletim de Filologia 22. Lisboa: Centro de Estudos Filológicos, 1971, pp. 81-116.

CONSONI, F.; FERREIRA NETTO, W. A percepção de variação em semitons ascendentes em palavras isoladas no português brasileiro. In: FERREIRA NETTO, W. (coord.), Exprosodia: Resultados preliminares. San Paolo: Paulistana editora, 2016, pp. 19-23.

DANCEY, C.; REIDY, J. Estatística Sem Matemática para Psicologia: Usando SPSS para Windows. Porto Alegre: Artmed, 2006.

ENCARNAÇÃO, M. R. T. Um breve estudo do léxico conservador presente no falar ilhéu do distrito de Santo Antônio de Lisboa, litoral de Santa Catarina, Revista de estudos lusófonos, no. 0, itens 9 e 10, 2008.

FURLAN, O. A. Influência açoriana no português do Brasil em Santa Catarina. Florianópolis: UFSC, 1989.

MILAN, P.; KLUGE, D. C. Diferenças na região pré-nuclear entre sentenças assertivas e interrogativas do dialeto curitibano: produção e percepção. Cadernos de Estudos Linguísticos, vol. 59, no 2, 2017, pp. 289-316.

MORAES, J. A. The Pitch Accents in Brazilian portuguese: analysis by synthesis. In: Proceedings of the Fourth Conference on Speech Prosody, 2008. Campinas: Unicamp. 2008, pp. 389-397.

MOUTINHO, L. C.; COIMBRA, R. L.; BERNARDES; M. C. R. Sul de Portugal continental e Açores: Distância geográfica também distância prosódica?. In: MOUTINHO, L. C.; COIMBRA, R. L. C.; FERNÁNDEZ REI, E. Estudos em variação geoprosódica. Aveiro: UA Editora (ISBN: 978-972-789-467-3), 2015, pp. 111-121.

MOUTINHO, L. C.; SEARA, I. C. A presença dos Açores em duas comunidades de Florianópolis (SC): aspetos prosódico-entoacionais. Géolinguistique, v. 19, 2019.

MOUTINHO, L. C.; COIMBRA, R. L. A prosódia no português continental e no arquipélago dos Açores. In: HABLER, G.; SCHÄFER-PRIEB (eds.). Contactos linguísticos na sequência da expansão portuguesa, 2021, pp. 119-131.

NASCENTES A. O linguajar carioca. 2. Ed. Rio de Janeiro: Organização Simões, 1953.

NASCENTES, A. O idioma nacional. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1960.

NASCENTES, A. Bases para a elaboração do atlas lingüístico do Brasil. Rio de Janeiro: MEC. Coordenado por Nelson Rossi. Atlas Linguístico de Sergipe, 1961.

NUNES, V. G. A prosódia de sentenças interrogativas totais nos falares catarinenses e sergipanos. 2015. 561f. Tese (Doutorado em Linguística) - Universidade Federal de Santa Catarina, 2015.

NUNES, V. G. Análises entonacionais de sentenças declarativas e interrogativas totais nos falares florianopolitano e lageano. 2011. 178f. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Universidade Federal de Santa Catarina, 2011.

RAMOS, J.; REIS, C. Prosódia da variedade do Português Brasileiro: o Estado de Minas Gerais In: MOUTINHO, L. C.; COIMBRA, R. L. (org.). I Jornadas Científicas AMPER-POR. Actas, Aveiro, 2007, pp. 79-91.

SARAMAGO, J. O Atlas Linguístico-Etnográfico de Portugal e da Galiza (ALEPG). Separata de Estudis Romànics, XXVIII, 281-298. Barcelona: Institut d’ Estudis Catalans, 2006.

SEARA, I. C.; SOSA, J. M.; OLIVEIRA, R. P. A vitalidade identitária de contornos entonacionais característicos do falar manezinho. Gragoatá (UFF), v. 23, 2018, pp. 632-653.

SEARA, I. C.; SOSA, J. M. A identidade dialetal do “manezinho” com foco em características entonacionais. Letras de Hoje, v. 52, 2017, pp. 51-57.

SEARA, I. C.; MOUTINHO, L. C. A variação na entoação de declarativas neutras e interrogativas totais nas três capitais do Sul do Brasil. Revista do GEL, v.17, n.2. 2020, pp. 230-266.

SEARA, I. C.; MOUTINHO, L. C. Do Pico (nos Açores, Portugal) à ilha do Desterro (atual Florianópolis no Brasil): Aspectos prosódicos entonacionais. Working Papers em Linguística, 23(1), Florianópolis, 2022, pp. 113-143.

SEGURA, L. Geografia da língua portuguesa. In RAPOSO, E. B. P. et al. Gramática do Português, I. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2013, pp. 71-142.

SEGURA, L. Linguistic and Ethnographic Atlas of Azores (ALEAç). Author of the following linguistic maps (lexicon), Animal-farming: cattle, 2012, p. 14.

t’ HART J. Differential Sensitivity to Pitch Distance, Particularly in Speech. Journal of the Acoustical Society of America, no 69, 1981, pp. 811-821.

VASCONCELOS, J. L. Carta dialetológica do continente português. In: FERREIRA-DEUSDADO, M. Chorographia de Portugal, 1893, pp. 15-16. Lisboa: Guillard, Aillaud & C.ia,. – Separata (1897): Mapa dialetológico do continente português. Lisboa: Guillard, Aillaud & Cia.

VASCONCELOS, J. L. Esquisse d’une dialectologie portugaise. Thèse pour le Doctorat de l’Université de Paris, Faculté de Lettres. Paris: Aillaud & Cie, 1901.

VITORINO, G. A Fauna e a Flora Marinhas na edição on-line do ALEAç - Atlas Linguístico-Etnográfico dos Açores, Vol. I, 2008.

VITORINO, G. A Fauna e a Flora Marinhas na edição on-line do ALEAç - Atlas Linguístico-Etnográfico dos Açores, Vol II, 2010.

Downloads

Publicado

2022-12-22

Como Citar

Moutinho, L. de C. ., & Seara, I. C. . (2022). Duas variedades prosódicas: uma só origem?. Intercâmbio, 52, e60292. https://doi.org/10.23925/2237.759X.2022V52.e60292

Edição

Seção

Artigos