Mapeamento da variação prosódica na Amazônia

análise interdialetal do Português falado em Cametá (PA), Mocajuba (PA), Parintins (AM) e Borba (AM)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.23925/2237.759X.2022V52.e60297

Palavras-chave:

Projeto Amper-Por, Prosódia, Análise Acústica, Análise Entoacional, Prosódia na Amazônia

Resumo

Este trabalho contém os principais resultados de uma descrição prosódica interdialetal de quatro variedades amazônicas (COSTA, 2020), sendo vinculado ao projeto Amper-Por. Toma-se como objeto de estudo a entoação modal de sentenças do tipo declarativa neutra e interrogativa total. Por meio de análises acústicas e dialetométricas buscou-se observar se quatro dialetos amazônidas apresentam alguma semelhança prosódica. Para a coleta e tratamento dos dados acústicos foram adotados todos os procedimentos metodológicos estabelecidos pelo projeto Amper-Por (CRUZ et al., 2012). A partir da interpretação dos resultados é possível afirmar que o parâmetro físico de f0 é um correlato acústico que atua na distinção de frases na modalidade declarativa neutra e interrogativa total, bem como na caracterização das variedades estudadas.

Biografia do Autor

Maria Sebastiana da Silva Costa, Universidade Federal Rural da Amazônia

Maria Sebastiana da Silva Costa é professora da Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), Doutora em Letras/Linguística pela Universidade Federal do Pará (2020), Mestra em Letras/Linguística também pela UFPA (2015), Especialista em Linguagem e Educação: Uma abordagem Textual, Discursiva e Variacionista, pela UFPA (2009) e possui Graduação em LETRAS com Habilitação em Língua Portuguesa pela mesma Universidade (2007). É membro integrante do grupo de pesquisa GELFOR da UFRA e do projeto AMPER Amazônia, sediado na UFPA, coordenado pela professora Dr. Regina Célia Fernandes Cruz. Atuou como professora do ensino básico de 2010 a 2014 e professora formadora de docentes da rede municipal de ensino de 2015 a meados de 2017. Foi professora colaboradora da UFPA nos de 2013 a 2016.

Regina Célia Fernandes Cruz, Universidade Federal do Pará

Professora Titular (Portaria 478/2021 Reitoria da UFPA) da Faculdade de Letras da Universidade Federal do Pará e Bolsista Produtividade CNPq-PQ1. Doutor em Ciências Humanas pela Université dAix-Marseille I - França (2000), Mestre em Linguística pela UFSC (1992) e Graduada em Letras pela UFPA (1987). Coordena projetos de pesquisa na UFPA desde 1992, quando ingressou nessa IES, na condição de bolsista DCR-CNPq. É professora da cadeira de Linguística do Curso de Letras. É membro da equipe internacional AMPER (Atlas Prosodique Multimedia de lEspace Roman) coordenado pela Université de Grenoble (França). Membro do Conselho Editorial da área de Linguagem da Editora Cortez. Foi pesquisadora visitante da New York University (2010-2011) na condição de bolsista CAPES/FULBRIGHT, da Universidade de Aveiro (2009) e do Laboratório de Fonética da University of Cambridge (1997). O centro de interesse de suas investigações compreende variação linguística, aspectos fonéticos, variação fonológica, fala espontânea, aspectos prosódicos e multimodais.

Referências

COSTA, M. S. da S. Mapeamento prosódico de variedades dialetais amazônicas pela entoação modal: Borba, Parintins, Cametá e Mocajuba. 2020. 173f. Tese (Doutorado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Instituto de Letras e Comunicação, Universidade Federal do Pará, Belém, 2020.

CUNHA, C. de S.; SILVA, J. C. B. Caracterização prosódica dos falares brasileiros: a oração interrogativa total. Revista do GELNE, Natal, v. 14, 2012, pp. 59-75.

CLUA, E.; SALICRÚ, M. Determinació de les varietats dialectals de frontera en la llengua catalana. In: CONGRESO INTERNACIONAL DE LINGUÍSTICA XERAL, 13., 2018, Vigo. Actas [...]. Vigo, 2018, pp. 219-225.

CRUZ, R. et al. Formação e anotação do corpus do projeto AMPER-Norte. Proceedings of GSCP. Belo Horizonte: UFMG, 2012.

DONI, M. V. Análise de Cluster: métodos hierárquicos e de particionamento. 2004. 150f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Sistemas de Informação) – Faculdade de Computação e Informática, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2004.

FERNÁNDEZ PLANAS, A. M. et al. Distancia y proximidad prosódica entre algunas variedades del español: um estudio dialectométrico a partir de datos acústicos. Revista de Linguística Teórica y Aplicada, Concepción, n. 53, v. 2, 2015.

FOULKES, P.; SCOBBIE, J.; WATT, D. Sociophonetics. In: HARDCASTLE, W.; LAVER, J.; GIBBON, F. (orgs.). The handbook of Phonetic Sciences. Oxford: Wiley-Blackwell, 2010.

GOEBL, H. Eléments d’analyse dialectométrique (avec application à l’AIS). Revue de Linguistique Romane, Paris, n. 45, 1981, pp. 349-420.

KLUGE, D. C. Diferenças na região pré-nuclear entre sentenças assertivas e interrogativas do dialeto curitibano: produção e percepção. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 59, n. 2, p. 289-316, mai./ago. 2017.

MOUTINHO, L. de C. et al. Estudos em variação linguística nas línguas românicas. Aveiro: UA Editora, 2019, pp. 249-258.

SÉGUY, J. La relation entre la distance spatiale et la distance lexicale. Revue de linguistique romane, v. 35, 1971, pp. 335-357.

SIEGEL, S.; CASTELLAN JUNIOR, J. Estatística não-paramétrica para ciências do comportamento. São Paulo: Artmed, 2006.

SILVA, J. de A. Estudo sociofonético de variações rítmicas no dialeto capixaba. 2010. 131f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Centro de Ciências Humanas e Naturais, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2010.

THOMAS, E. Sociophonetics: an introduction. New York: Palgrave Macmillian, 2011.

Downloads

Publicado

2022-12-22

Como Citar

Costa, M. S. da S. ., & Cruz, R. C. F. . (2022). Mapeamento da variação prosódica na Amazônia: análise interdialetal do Português falado em Cametá (PA), Mocajuba (PA), Parintins (AM) e Borba (AM). Intercâmbio, 52, e60297. https://doi.org/10.23925/2237.759X.2022V52.e60297

Edição

Seção

Artigos