AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL PARA ESTUDANTES BENEFICIADOS E NÃO BENEFICIADOS

Fernanda Maria de Oliveira, Fauston Negreiros, Ludgleydson Fernandes de Araújo, Raquel Pereira Belo

Resumo


A Política Nacional de Assistência Estudantil- PNAES constitui-se em uma das políticas educacionais que têm contribuído para o desenvolvimento de diversas ações no cenário educacional brasileiro, visando à ampliação da permanência do aluno na Educação Superior. Nesta perspectiva, o presente estudo objetivou compreender as representações sociais da Assistência Estudantil para estudantes beneficiados e não beneficiados, em uma Instituição de Ensino Superior (IES) pública. A coleta de dados foi feita com 100 participantes, utilizando-se a Técnica de Associação Livre de Palavras – TALP, com a apresentação de uma palavra-estímulo, no caso, Assistência Estudantil, e em seguida o questionário sociodemográfico. A análise dos dados obtidos pela TALP foi feita a partir da rede semântica e as informações contidas nos questionários foram analisadas por meio do software SPSSWIN, versão 21, obtendo-se a caracterização do perfil sociodemográfico da amostra. Os resultados apontaram que os estudantes beneficiados e não beneficiados têm a representação social da Assistência Estudantil como uma ajuda e estando associada à renda, respectivamente. Essas compreensões apontam para o desconhecimento por parte de alguns alunos sobre um conjunto de ações que devem ser desenvolvidas por esta política pública para viabilizar a igualdade de oportunidades, de forma a contribuir para melhorar o desempenho acadêmico, atuando de maneira preventiva sobre as situações de retenção e evasão escolar pelos estudantes que apresentam vulnerabilidade socioeconômica. Portanto, deve-se pensar como as políticas educacionais estão afetando o ambiente universitário e qual o entendimento que se tem sobre estas, para que haja, de fato, sua efetivação, neste contexto.

Palavras-chave


Assistência Estudantil; Ensino Superior; Políticas Educacionais

Texto completo:

PDF

Referências


Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo, SP: Edições 70.

Bisinoto, C., Marinho-Araújo, C. (2014). Sucesso acadêmico na Educação Superior contribuições da Psicologia Escolar. Revista eletrônica de Psicologia, Educação e Saúde, 4(1), 28-46. Disponível em http://docplayer.com.br/9045731-Sucesso-academico-na-educacao-superior-contribuicoesda-psicologia-escolar.html

Brasil. Decreto nº 6.096, de 24 de abril de 2007 (Decreto que institui o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação das Universidades Federais – REUNI). Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6096.htm

Brasil. Decreto n° 7.234, de 19 de julho de 2010. Dispõe sobre o Programa Nacional de Assistência Estudantil (PNAES). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7234.htm

Diéguez, C. R. M. A. (2015). Lugar de jovem é na universidade! Políticas públicas de educação e a ampliação do acesso ao ensino superior brasileiro. Cadernos Adenauer, 1, (1), 45-63. Disponível em http://

www.kas.de/wf/doc/16490-1442-5-30.pdf

Gebrim, L. B. (2014). Psicologia escolar e educacional no ensino superior: demandas e desafios na história do serviço de atendimento ao estudante da Universidade Federal de Uberlândia. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia.

Lima, P. G. Políticas de educação superior no Brasil na primeira década do século XXI: alguns cenários e leituras. Avaliação: Revista de Avaliação da Educação Superior, 118(1), 85-105. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/aval/v18n1/06.pdf

Moscovici, S. (2001). Das Representações Coletivas às Representações Sociais. In: D. Jodelet. Representações Sociais: um domínio em expansão. 1a ed. (pp.45-66). Rio de Janeiro-RJ: EDUERJ.

Ristoff, D. (2014). O novo perfil do campus brasileiro: uma análise do perfil socioeconômico do estudante de graduação. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, 19(3), 723-747. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/aval/v19n3/10.pdf

Sampaio, S. M. R. (2009). Explorando possibilidades: o trabalho do psicólogo na Educação Superior. In: Marinho-Araújo, C.M. Psicologia escolar: novos cenários e contextos de pesquisa, formação e prática. Campinas, SP: Alínea.

Neves, C. E. B. (2012). Ensino Superior no Brasil: expansão, diversificação e inclusão. Manuscrito não publicado, Associação de estudos Latinos Americanos. São Francisco, Califórnia.

Vera-Noriega, J. A.; Pimentel, C. E.; Batista de Albuquerque,

F. J. (2005). Redes semânticas: aspectos teóricos, técnicos,

metodológicos y analíticos. Ra Ximhai, 1(3), 439-451. Disponível em http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=46110301

Zibetti, M. L. T. (2016). A educação como direito: considerações sobre políticas educacionais. In: Campos. H.R, Sousa, M.P.R; Facci, M.G.D. Psicologia e políticas educacionais. Natal, RN: EDUFRN.




DOI: https://doi.org/10.23925/2175-3520.2020i51p97-106

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.