Territórios, mobilidade e biografia no espiritismo franco-brasileiro

Gismair Martins Teixeira

Resumo


O presente artigo pretende apresentar um estudo sobre a territorialidade do espiritismo franco-brasileiro. O conceito de territorialidade adotado para este trabalho é o elaborado pelos pensadores franceses Gilles Deleuze e Félix Guattari na obra Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia 2. Em ambos os autores, a territorialidade aparece como um vetor de fluxo do conceito de rizoma, que é basilar na estruturação de conteúdo desta obra. Inerente à ideia de territorialidade é a noção de mobilidade. Neste trabalho, esses marcadores conceituais serão aplicados ao estudo de caso em torno da trajetória do médium Divaldo Pereira Franco, representativa figura do espiritismo franco-brasileiro, cujos dados biográficos servirão de análise da mobilidade territorial do espiritismo codificado na França por Allan Kardec.


Palavras-chave


Territórios; Espiritismo; Divaldo Franco

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.23925/1677-1222.2019vol19i3a9

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 REVER - Revista de Estudos da Religião