Na contramão da narrativa oficial: vozes dos familiares das vítimas dos Crimes de Maio de 2006

Raiane Assumpção, Valéria de Oliveira Silva, Aline Rocco Gomes

Resumo


Este artigo resulta da pesquisa Violência de Estado no Brasil: um estudo dos crimes de maio de 2006 na perspectiva da antropologia forense e da Justiça de Transição, que envolveu pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo e do Movimento Mães de Maio, em parceria com a Universidade de Oxford. Na contramão da cultura de impunidade no Brasil, responsável pelas violações dos direitos humanos, a investigação se concentrou na análise de sessenta casos (dentre os mais de quinhentos no estado de São Paulo) de jovens executados pela polícia militar na Região Metropolitana da Baixada Santista, entre os dias 12 e 20 de maio de 2006. Aqui apresentamos as narrativas dos familiares das vítimas, as vozes dissonantes daqueles dias de dor.

Palavras-chave


Violência de Estado; Crimes de Maio; Mães de Maio; construção do conhecimento

Texto completo:

PDF

Referências


AMADEO, Javier et al. (coord.). Violência de Estado no Brasil: uma análise dos Crimes de Maio de 2006 na perspectiva da antropologia forense e da justiça de transição. Relatório Final. Unifesp, 2018. Disponível em https://www.unifesp.br/reitoria/caaf/images/Relatorio_final_2.pdf Acesso em 03 Mai. 2018.

CANO, Ignacio; ALVADIA, Alberto (orgs.) Análise dos impactos dos ataques do PCC em São Paulo em maio de 2006. Rio de Janeiro: Laboratório de Análise da Violência; Universidade Estadual do Rio de Janeiro, LAV/UERJ, 2008.

CERQUEIRA, Daniel (coord.). Atlas da violência 2018. Rio de Janeiro: Ipea/FBSP, 2018.

CONSELHO de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana – CDDPH. Relatório sobre os Crimes de Maio de 2006. Brasília, 2013. Disponível em http://www.sdh.gov.br/sobre/participacao-social/cndh/relatorios/relatorio-c.e-crimes-de-maio. Acesso em 21 Abr. 2018.

CONSELHO Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana – CONDEPE. Crimes de Maio. São Paulo, 2006. Disponível em http://www.observatoriodeseguranca.org/files/Ataquespcc_. Acesso em 21 Abr. 2018.

DELORY-MOMBERGER, Christine. A pesquisa biográfica: projeto epistemológico e perspectivas metodológicas. In: ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto; PASSEGGI, Maria da Conceição (orgs.). Dimensões epistemológicas e metodológicas da pesquisa (auto) biográfica. Tomo I. Natal: EDUFRN: Porto Alegre: EDIPUCRS; Salvador: EDUNEB, 2012.

GONÇALVES, Renata. De antigas e novas loucas: Madres e Mães de Maio contra a violência de Estado. Lutas Sociais, São Paulo, n. 29, 2012.

JOVCHELOVICH, Sandra. Entrevista Narrativa. In: BAUER, Martin; GASKELL, Georges. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002.

JUSTIÇA GLOBAL e INTERNACIONAL HUMAN RIGHTS CLINIC. São Paulo sob acharque: corrupção, crime organizado e violência institucional em maio de 2006. São Paulo, 2011.

LEFEVRE, Fernando; LEFEVRE, Ana Maria Cavalcanti. O discurso do sujeito coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa. Caxias do Sul: Educs, 2003.

LIMA, Renato Sérgio de; BUENO, Samira. 11º Anuário Brasileiro de Segurança Pública (2017). São Paulo: Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2017. Disponível em http://www.forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2017/12/ANUARIO_11_2017.pdf. Acesso em 12 Mar. 2018.

MÃES DE MAIO. Mães de Maio: Mães do cárcere – a periferia grita. São Paulo: Nós por nós, 2012.

__________. Do luto à luta: Mães de Maio. São Paulo: Nós por nós, 2011.

MINGARDI, Guaracy. Apresentação. In: KUCINSKI, Bernardo et al. Bala Perdida: a violência policial no Brasil e os desafios para sua superação. São Paulo: Boitempo, 2015 (e-book).

PATINI, Daniel. Crimes de Maio de 2006 completam 11 anos sem solução. Comunicação Unifesp. 23 mai. 2017. Disponível em https://www.unifesp.br/reitoria/dci/noticias-anteriores-dci/item/2765-crimes-de-maio-de-2006-completam-11-anos-sem-solucao. Acesso em 21 Abr. 2018.

PINHEIRO, Paulo S. O passado não está morto: nem passado é ainda. In: DIMENSTEIN, Gilberto (org.). Democracia em pedaços. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

VIANNA, Adriana; FARIAS, Juliana. A guerra das mães: dor e política em situações de violência institucional. Cadernos Pagu, Campinas, n. 37, 2011.

VIEIRA, Luiza Jane Eyre de Souza et al. Impacto da violência na saúde de famílias em Fortaleza, Ceará. Ciência & Saúde Coletiva, v. 14, n. 5, Rio de Janeiro, 2009.

WAISELFISZ, Julio Jacobo (2016). Mapa da violência 2016. Homicídios por arma de fogo. Brasília: Flacso, p. 68-72.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Lutas Sociais
Revista do Núcleo de Estudos de Ideologias e Lutas Sociais (NEILS)
Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais – PUC/SP
Ministro Godói, 969 - 4º andar – Perdizes
CEP: 05015-001 - São Paulo - SP - Brasil
Fone/Fax: (+55 11) 3670-8517

Lutas Sociais está indexada em: