O “cotidiano” e a “crítica”: uma análise do preconceito sob dois posicionamentos teóricos

Sheila Ferreira Miranda

Resumo


Procurando confrontar dois pontos de vista teóricos diferentes, busca-se discutir os aspectos objetivos e subjetivos do fenômeno preconceito. Para Agnes Heller, o preconceito é uma categoria fundamental da vida cotidiana e, por mais que se caracterize por interesses e motivações individuais, ele nada pode dizer acerca da individualidade do sujeito que o assumiu, justamente porque provém de uma assimilação de cunho ideológico. Já os autores da Teoria Crítica da Sociedade defendem que o preconceito diz mais do preconceituoso do que do objeto ao qual se dirige, isto porque o estereótipo presente nele, geralmente diz respeito à percepção ou projeção do preconceituoso, que não é totalmente independente do objeto, mas desfigura-o, distorcendo a realidade. Em ambas as visões, o conceito de ideologia demarca a reprodução de valores impostos e socialmente compartilhados, que contribuem para a sustentação, conservação e justificação do preconceito, fator que diminui as possibilidades de alteridade do humano.

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais

ISSN Impresso: 1413-4063
ISSN Eletrônico: 2594-3871


Psicologia Revista  está indexada em: