Despedida silenciada: equipe médica, família, paciente – cúmplices da conspiração do silêncio

Maria Inês Fernandez Rodriguez

Resumo


A comunicação, mesmo ao fim da vida, é ferramenta importante. Ter informações sobre diagnóstico e prognóstico permite que pacientes e família vivenciem esse período de forma menos dolorosa. Quando se estabelece o pacto ou conspiração do silêncio, isso já não é possível. O pacto do silêncio é descrito como um acordo implícito ou explicito, por parte dos familiares, amigos e profissionais, de alterar a informação ao paciente com a finalidade de ocultar o diagnóstico ou a gravidade da situação. Esse tema é importante perante a incidência ainda elevada desse pacto na atualidade e pelas consequências dele. Este artigo teórico tem o objetivo de discorrer sobre este tema com base na pesquisa bibliográfica de estudos originais que apontam as causas, consequências e indicam possíveis estratégias de intervenções que estão sendo utilizadas para diminuir a incidência do pacto. Porém ainda são necessárias mais intervenções naquele sentido, pois, ainda hoje, se vivenciam mortes solitárias e despedidas silenciadas.


Palavras-chave


conspiração do silêncio; comunicação; bioética; más notícias

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais

ISSN Impresso: 1413-4063
ISSN Eletrônico: 2594-3871


Psicologia Revista  está indexada em: