Os escritores que não queriam inventar

Camilo Gomide Cavalcanti Silva

Resumo


Existe em determinada vertente da literatura contemporânea um desejo manifesto por relatos que se aproximem do real e se distanciam de fórmulas e artifícios tradicionais da ficção, como enredo, clímax e resolução. Dentro dessa tendência, as autoficções, escritas autobiográficas, surgiram como uma possibilidade de expressão legítima da realidade e de uma certa noção de verdade. Essa perspectiva vai de encontro com um amplo entendimento, consolidado em diferentes frentes das ciências, de que é impossível a um sujeito expressar algo como a verdade dos fatos. Mesmo assim, o testemunho aparece na literatura como uma fonte de sinceridade, ainda mais autêntica que os discursos documentais. Este artigo analisa como essa questão é desenvolvida nas obras de dois escritores, A resistência, do brasileiro Julián Fuks, e Minha Luta, do norueguês Karl Ove Knausgård, que partem do desconforto com a fabulação e o compromisso com a realidade para a criação de um romance. 


Palavras-chave


Autoficção; Real; Sinceridade; Julián Fuks; Karl Ove Knausgård.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.23925/1983-4373.2018i21p92-108

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em: