Diálogos da desintegração: a imaginação da morte e da inexistência na vanguarda brasileira e argentina

Bárbara Nayla Piñeiro de Castro Pessôa

Resumo


 

Este trabalho pretende ler algumas produções artísticas que se relacionam a práticas de desintegração estética vinculadas a estratégias de vanguarda no Brasil e na Argentina. Estes trabalhos põem em cena formas que apostam na destruição como via de exploração estética e convocam, assim, o imaginário da morte. Através da leitura de algumas telas de Ismael Nery, escritos de Aldo Pellegrini e Murilo Mendes, pretendemos analisar as consequências estéticas destes investimentos.


Palavras-chave


Vanguarda; Surrealismo; Ismael Nery; Aldo Pellegrini; Murilo Mendes

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.23925/1983-4373.2018i21p202-213

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em: