Grupo educativo: análise na mudança do estilo de vida de portadores de hipertensão arterial sistêmica e diabetes tipo 2

Priscilla Tatiani de Goes Oliveira, Janie Maria de Almeida

Resumo


Objetivos: O presente estudo teve como objetivo promover ações educativas e traçar o perfil do estilo de vida individual de um grupo de pacientes hipertensos ou diabéticos. Métodos: Caracteriza-se como descritivo-exploratório, por meio de pesquisa-ação, utilizando o instrumento Pentáculo do Bem-Estar de Nahas, com uma amostra de conveniência de nove indivíduos — pacientes de uma Unidade de Estratégia de Saúde da Família em Sorocaba, São Paulo — que participaram de um grupo para atividades educativas envolvendo dinâmicas direcionadas aos temas alimentação saudável e prática de atividade física. A coleta de dados aconteceu em encontros semanais durante os meses de agosto e setembro de 2016. Resultados: O grupo caracterizou-se, predominantemente, por indivíduos do sexo feminino, com idades de 43 a 65 anos, com Ensino Fundamental, aposentados e portadores de hipertensão arterial sistêmica. Os indivíduos foram categorizados em três grupos (satisfatório, moderadamente satisfatório e insatisfatório), que estão relacionados aos cinco componentes do pentáculo. Entre os fatores que dificultam a adesão ao tratamento e o controle da hipertensão e da diabetes evidenciam-se a falta de interesse na participação de grupos educativos, a baixa instrução e a desvalorização das informações e das atividades desenvolvidas no grupo. Conclusão: Constatamos que as informações obtidas no grupo, o apoio e a motivação dada pelos profissionais não foram suficientes para mudar o comportamento dos indivíduos para a adoção de hábitos saudáveis.


Palavras-chave


doença crônica; hipertensão; diabetes mellitus tipo 2; estilo de vida saudável; dieta saudável; exercício

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Guia alimentar para a população brasileira. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Brasil. Ministério da Saúde. Núcleo de apoio à saúde da família. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Souza AC, Colomé ICS, Costa LED, Oliveira DLLC. A educação em saúde com grupos na comunidade: uma estratégia facilitadora da promoção da saúde. Rev Gaúcha Enferm. 2005;26(2):147-53.

Santos ZMSA, Lima HP. Tecnologia educativa em saúde na prevenção da hipertensão arterial em trabalhadores: análise das mudanças no estilo de vida. Texto Contexto Enferm. 2008;17(1):90-7. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072008000100010

Nahas MV, Barros MVG, Francalacci V. O pentáculo do bem-estar: base conceitual para avaliação do estilo de vida de indivíduos ou grupos. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2000;5(4):48-59.

Esteves JVDC, Andreato LV, Moraes SMF, Prati ARC. Estilo de vida de praticantes de atividades físicas em academias da terceira idade de Maringá – PR. Rev Fac Educ Fís UNICAMP. 2010;8(1):119-29. https://doi.org/10.20396/conex.v8i1.8637758

Carvalho ML. O perfil do estilo de vida dos idosos e sua percepção sobre o programa maturidade ativa de São José dos Pinhais [trabalho de conclusão de curso]. Curitiba: Universidade Tecnológica Federal do Paraná; 2015.

Kuchler RAM, Miranda S. Atividade física, consciência corporal e estilo de vida. In: Anais do 8º Congresso Nacional de Educação [Internet]. Curitiba: Pontifícia Universidade Católica do Paraná; 2008 [acesso em 31 mar. 2016]. Disponível em: http://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2008/446_643.pdf

Ferreira Filho FES, Lustosa RP, Daniele TMC, Santos AT, Uchôa NM, Uchôa FNM. Percepção do bemestar e da qualidade de vida em acadêmicos do curso de educação física. Cinergis. 2016;17(1):56-60. http://dx.doi.org/10.17058/cinergis.v17i1.7358

Geraldes CF, Grillo DE, Merida M, Souza JX, Campanelli JR. Nível de qualidade de vida dos colaboradores da diretoria de esportes e lazer do SESISP. Rev Mackenzie Educ Fís Esporte. 2006;5(3):13-22.

Oliveira TL, Miranda LP, Fernandes PS, Caldeira AP. Eficácia da educação em saúde no tratamento não medicamentoso da hipertensão arterial. Acta Paul Enferm. 2013;26(2):179-84. http://dx.doi.org/10.1590/ S0103-21002013000200012

Cazarini RP, Zanetti ML, Ribeiro KP, Pace AE, Foss MC. Adesão a um grupo educativo de pessoas portadoras de diabetes mellitus: porcentagem e causas. Medicina (Ribeirão Preto). 2002;35:142-50.

Fonseca AB, Souza TSN, Frozi DS, Pereira RA. Modernidade alimentar e consumo de alimentos: contribuições sócio-antropológicas para a pesquisa em nutrição. Ciênc Saúde Coletiva. 2011;16(9):3853-62. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011001000021

Vicente ANC, Picolo AFO, Gomes CM, Viebig RF. Aplicabilidade do pentáculo do bem-estar como ferramenta para nutricionistas. Efdeportes.com Rev Digital [Internet]. 2013 [acesso em 31 mar. 2016];13(129). Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd129/aplicabilidade-do-pentaculo-do-bemestar.Htm

Pôrto EF, Kümpel C, Castro AAM, Oliveira IM, Alfieri FM. Como o estilo de vida tem sido avaliado: revisão sistemática. Acta Fisiatr. 2015;22(4):199-205. http://dx.doi.org/10.5935/0104-7795.20150038

Campos MO, Maciel MG, Rodrigues Neto JF. Atividade física insuficiente: fatores associados e qualidade de vida. Rev Bras Ativ Fis Saúde. 2012;17(6):562-72. http://dx.doi.org/10.12820/2317-1634.2012v17n6p562

Oliveira DL. A “nova” saúde pública e a promoção da saúde via educação: entre a tradição e a inovação. Rev Latino-am Enfermagem. 2005;13(3):423-31. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692005000300018

Nahas MV. Atividade física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. 5ª ed. Londrina: Midiograf; 2010.

Roecker S, Budó MLD, Marcon SS. Trabalho educativo do enfermeiro na Estratégia Saúde da Família: dificuldades e perspectivas de mudanças. Rev Esc Enferm USP. 2012;46(3):641-9. http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342012000300016

Brasil. Ministério da Saúde. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Mendes AJB, Ponte KMA, Farias MS. Cuidados de enfermagem para adesão, por idosos, de hábitos saudáveis de vida, com base na Teoria da Promoção da Saúde. Kairós Gerontol. 2015;18(4):269-87.

Abrahão AL, Freitas CSF. Modos de cuidar em saúde pública: o trabalho grupal na rede básica de saúde. Rev Enferm UERJ. 2009;17(3):436-41.




DOI: https://doi.org/10.23925/1984-4840.2018v20i3a5

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba. ISSN eletrônico 1984-4840

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Apoio: ..............................................................................................................................................

    

Fundação São Paulo - Hospital universitário

 



 

Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, Sorocaba, SP, Brasil, e-ISSN 1984-4840

A Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.