A inclusão de estudantes com deficiência visual no ensino e aprendizagem de estatística: medidas de tendência central
The inclusion of students with visual impairments in the teaching and learning of statistics: measures of central tendency

Rita de Cássia Célio Pasquarelli, Ana Lucia Manrique

Resumo


Neste artigo pretendemos promover o diálogo sobre a inclusão de estudantes com deficiência visual e o processo de ensino e aprendizagem de Estatística, no âmbito das medidas de tendência central. Embora entendamos que o ensino desses conceitos demande considerável tempo, investigamos uma situação que apresenta de maneira introdutória e intuitiva, a variabilidade de dados. Adotamos como metodologia a pesquisa qualitativa, considerando a Análise Exploratória de Dados. Fizemos uso de uma Tecnologia Assistiva – simulador de gráficos - e trabalhamos com uma turma do 9º ano, que possuía quatro cegos, um com baixa visão e três videntes. Os resultados foram positivos tanto para a construção de significados dos conceitos trabalhados, quanto apontando caminhos para o processo de ensino e aprendizagem de conteúdos de Estatística, no âmbito das medidas de tendência central, para estudantes com deficiência visual.

 

This article aims to promote a dialogue on the inclusion of students with visual impairment and the teaching and learning process of Statistics, in the context of measures of central tendency. While we understand that teaching these concepts demands considerable time, we investigate a situation that presents the variability of data in a introductory and intuitive way. We adopted as a methodology the qualitative research, considering the Exploratory Data Analysis. We made use of Assistive Technology - graphic simulator - and we worked with a group of 9th grade, which had four blind students, one with low vision and three seers. The results were positive as much for the construction of meanings of concepts worked, as ways for the teaching and learning process of Statistics, in the context of measures of central tendency for students with visual impairments


Palavras-chave


Estatística; Medidas de Tendência Central; Deficiência visual.

Texto completo:

PDF

Referências


BATANERO, C. Didáctica de la Estadística. Grupo de Educación Estadística Universidad de Granada. Espanha: Servicio de Reprografia de la Facultad de Ciencias, 2001. Disponível em: . Acesso em: out. 2013.

BATANERO, C.; ESTEPA, A.; GODINO, J. D. Análisis Exploratorio de Datos: sus Posibilidades em la Enseñanza Secundaria. Suma, n. 9, pp. 25-31, 1991. Disponível em: . Acesso em: 10 out.2013.

¬¬¬¬¬¬BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio). Brasília: MEC, 2000. Disponível em:. Acesso em: 13 mai. 2014.

COIMBRA, I. D. A Inclusão do portador de deficiência visual na escola regular. Salvador: EDUBRA, 2003.

CRESWELL, J. W. Projeto de Pesquisa: métodos qualitativos, quantitativo e misto. 3º ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

GAL, I. Conocimentos básicos de estatística em adultos: significados, componentes, responsabilidades. In International Statistical Review, v. 1, n. 70, pp. 1-25, 2002.

GARCIA, F. M. A ideia de variabilidade abordada no 8º ano do ensino fundamental. 2008. 110f. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de Matemática) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008.

MASINI, E.F.S. Impasses sobre o Conhecer e o Ver, In: O perceber e o relacionar-se de deficiente visual: orientando professores especializados. Brasília: CORDE, 1994. pp. 29-39.

MOREIRA, G. E.; MANRIQUE, A. L. Challenges in Inclusive Mathematics Education: Representations by Professionals Who Teach Mathematics to Students with Disabilities. Creative Education, v.5, pp. 470-483. 2014. Disponível em: . Acesso em mai.2014.

NEVES, J. L. Pesquisa qualitativa: características, usos e possibilidades. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo, v. 1, nº 3, pp. 1-5, 2ºsem./1996. Disponível em . Acesso em: fev. 2016.

NOVAES, D. V. Concepções de professores da Educação Básica sobre variabilidade estatística. 2011. 205f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2011

NOVAES, D. V.; COUTINHO, C. Q. S. Estatística para educação profissional. São Paulo: Atlas, 2009.

SILVA, C. B. Pensamento Estatístico e Raciocínio sobre variação: Um estudo com professores de Matemática. 2007. 355f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2007.

TURIK, C. Análise de atitudes de alunos universitários em relação à Estatística por meio da Teoria da Resposta ao Item (TRI). 2010. 81f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, 2010.

UNESCO. The Salamanca Statement. World Conference on Special Needs Education: Access and Quality. Salamanca, Spain, 7-10 June 1994, pp. 1-111. Disponível em: . Acesso em: 15 mai. 2014.

VIGOTSKI, L. S. Fundamentos de defectologia: El niño ciego. In: Problemas especialies de defectologia. Havana: Editorial Pueblo Y Educación, 1997. pp. 74-87.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


INDEXADORES DA REVISTA