O ensino de sistema de numeração decimal instrumentalizado através de jogos por meio de percursos de estudo e pesquisa
The teaching decimal numbering system instrumentalized through games through study and research routes

Anderson Souza Neves, Luiz Marcio Santos Farias

Resumo


A noção de sistema de numeração decimal é fundamental para a aquisição de diversos conceitos matemáticos e os documentos nacionais e internacionais norteadores da educação destacam a importância da utilização desse saber para o ensino da matemática. Nessa perspectiva, percebemos que as dificuldades/obstáculos apresentados pelos estudantes, desde educação infantil, persistem até o ensino superior, impossibilitando a compreensão dos aspectos sobre sistema de numeração decimal. Nesse sentido, este projeto tem por objetivo analisar o desenvolvimento de Modelo epistemológico-didático de referência, por meio de Percurso de estudo e pesquisa para formação de professores sobre sistema de numeração decimal para o 5° ano do Ensino Fundamental I utilizando como recurso materiais concretos que passarão por (re)construções praxeológicas no intuito de potencializar este saber. Nesse ínterim, acreditamos ser possível identificar fenômenos didáticos, como o vazio didático, uma das incompletudes da atividade institucional no que tange a atividade docente. Para este trabalho utilizaremos a Teoria das Situações para a elaboração de situações que aproxime o professor e estudantes dessa saber, a Teoria da Antropologia Didática como suporte para a construção e análise de um Percurso de Estudo e a T4TEL para a investigação das praxeologias completas e suas variações nas situações. Esta proposta de investigação é de natureza qualitativa, numa perspectiva clínica, com observação direta e registros das praxeologias dos participantes.

Palavras-chave


Sistema de numeração decimal; Teoria da Antropologia Didática; T4TEL; Percurso de estudo e pesquisa.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL FILHO, F. dos S. Ética e pesquisa nas Ciências Humanas e Sociais: um caso a ser pensado. Práxis Educativa. Ponta Grossa. v. 12. n. 1. p. 257-266. jan./abr. 2017.

Disponível em: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa. Acesso em: 14 out. 2018.

ARTIGUE, M. Ingénierie Didactique. Recherches en Didactique des Mathématiques. Grenoble: La Pensée Sauvage-Éditions, v. 9.3. 1988. p.281-308.

BAHIA. Secretaria da Educação. Superintendência de Desenvolvimento da Educação Básica. Diretoria de Educação Básica. Orientações curriculares e subsídios didáticos para a organização do trabalho pedagógico no ensino fundamental de nove anos. Salvador: Secretaria da Educação, 2013. 177 p. Disponível em: . Acesso em: 05 out. 2017.

BOSCH, M., GASCÓN, J. Aportaciones de la Teoría Antropológica de lo

Didáctico a la formación del profesorado de matemáticas de secundaria. En M.J. González, M.T. González & J. Murillo (Eds.), Investigación en Educación Matemática XIII 2009. p. 89-113. Santander: SEIEM.

BOSCH, M. GASCÓN, J. Fundamentación antropológica e las organizaciones didácticas: de los “talleres de prácticas matemáticas” a los “recorridos de estudio e investigación”, IN: Bronner, Alain et al. Apports de la théorie anthropologique du didactique: Diffuser les mathématiques (et les autres savoirs) comme outils de connaissance et d‘action. IUFM de l‘académie de Montpellier 2010, p.55-90.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2017. Disponível em: < 568 http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf>. Acesso em: 02 jun. 2017.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares

Nacionais: Matemática, Ensino de 5ª a 8ª série / Secretaria de Educação

Fundamental. Brasília: MEC / SEF, 1998.

BROUSSEAU, G. Fondements et Méthodes de la Didactique des

Mathématiques. Recherches en Didactiques des Mathématiques, v.7, n.2, pp.33-116. Grenoble, 1986.

CHAACHOUA, H., BESSOT, A. (à paraitre) Introduction de la notion de variable dans le modele praxéologique. Actes du 5e congrès pour la Théorie Anthropologique du Didactique. Castro-Urdiales, Espagne. 2016.

CHEVALLARD, Y. El análisis de las prácticas docentes en la teoría antropológica de lo didáctico. Recherches en Didactique des Mathématiques. Vol. 19, nº 2,1999.

. Organiser l’étude 3. Ecologie & Regulation. 2002. Disponível em: http://yves.chevallard.free.fr/spip/spip/. Acesso em: 20 de fevereiro de 2018.

. El análisis de las prácticas docentes en la teoría antropológica de lo didáctico. Tradução: Ricardo Barroso Campos. Recherches en Didactique des Mathématiques, RDM, v. 19, n. 2. 1999. p. 221-266. Disponível em: < http://www.ing.unp.edu.ar/asignaturas/algebra/chavallard_tad.pdf >. Acesso em: 20 dez. 2018.

CRESWELL, J. W. Projeto de Pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e

misto. Tradução Luciana de Oliveira da Rocha. 2 ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

CROTTY, M. Foundations of social research: Meaning and perspective in the research process. Positivism: the march of science. Australia: Sage publications, 1998, p. 27 - 52. Disponível em:< https://app.schoology.com/course/1736469318/materials/gp/1737370096>. Acesso em: 20 jul. 2018

DEHAENE, S.; DEHAENE-LAMBERTZ, G.; COHEN, L. Abstract representations of numbers in the animal and human brain. In: Trends in Neurosciences. V. 21. N. 8, 1998. p. 355-361. Disponível em :< https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0166223698012636 >. Acesso em 15 jan. 2019.

FARIAS, L. M. S.; CARVALHO, E. F. Uma proposta de investigação acerca das incompletudes nas atividades institucionais. III SEMINÁRIO do NIPEDICMT. Salvador. V. 2, 2016. p. 11-21.

FARRAS, B. B., BOSCH, M. GASCÓN, J. Las tres dimensiones del problema

didáctico de la modelización matemática. Educ. Matem. Pesq., São Paulo, v.15, n.1, pp.1-28, 2013.

INEP. Sistema de avaliação da educação básica. Diretoria de avaliação da educação básica: documentos de referência. Saeb. Brasília. 2018. Disponível em: < http://download.inep.gov.br/educacao_basica/saeb/2018/documentos/saeb_documentos_de_referencia_versao_1.0.pdf>. Acesso em 15 jan. 2019.

LERNER, D.; SADOVSKY, P. O sistema de numeração: um problema didático. In: Didática da Matemática: reflexões psicopedagógicas. Parra, C. Saiz, I.; et. al. (Org.). Tradução Juan Acuña Llorens. Porto Alegre: Artmed. 1996. P.73-155.

LICHTMAN, M. Qualitative research in educacion: a user's guide. Thousand Oaks: Sage, 2010.

LUCAS, C. Organizaciones matemáticas locales relativamente completas

(Memoria de investigación, Diploma de Estudios Avanzados). Universidad de Vigo, 2010.

MATOS, F. C. de; PEREIRA, J. C. de S.; NUNES, J. M. V.; GUERRA, R. B.; ALMOULOUD, S. A. A metodologia do percurso de estudo e pesquisa adaptada à formação inicial e continuada de professores de matemática. Educação Matemática Pesquisa. São Paulo, v.20, n.1, pp. 448-470, 2018. Disponível em: < https://revistas.pucsp.br/emp/article/view/32779/pdf>. Acesso em 10 dez. 2018.

MOUNIER, E. Une analyse de l’enseignement de la numération :Vers de nouvelles pistes. niversité Paris-Diderot - Paris VII, French. 2010. Consulté à l'adresse. Disponível em :< https://tel.archives-ouvertes.fr/tel-00550721v1>. Acesso em 20 set. 2018.

OECD (2015), PISA 2012 Results: creative problem solving – Students’ skills in tackling real-life problems. (Volume V), PISA, OECD Publishing.

OECD (2016), PISA 2015 Results: excellence and equity in education. (Volume I), PISA, OECD Publishing.

RODITI, E. Des synthèses pour approfondir les dossiers. In : Documents pour la préparation de l'épreuve de mathématiques du CRPE Concours de Recrutement des Professeurs des Écoles. 2010. Disponível em : < http://eroditi.free.fr/Enseignement/PE1/S3%20nombres.pdf>. Acesso em 21 jun. 2018.

SOUZA, J. V. B. de; BARBOSA, J. C. B. Os Materiais Manipuláveis e a Produção Discursiva dos Alunos na Aula de Matemática. Acta Scientiae, v.13, n.2, jul./dez. 2011. p. 39-53. Disponível em:< http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/acta/article/view/12/10>. Acesso em: 15 dez. 2018.

SOUZA, J. V. B. de; BARBOSA, J. C. B. O uso de manipuláveis na participação dos alunos em uma aula de matemática. Em Teia – Revista de Educação Matemática e Tecnológica Iberoamericana. v.4, n. 3, 2013. p. 1-17. Disponível em:< https://periodicos.ufpe.br/revistas/emteia/article/download/2225/1797>. Acesso em: 15 dez. 2018.

Tempier, F. Une étude des programmes et manuels sur la numération décimale au CE2. Grand N, (86), p. 59-90. 2010.

Tempier, F. La numération décimale à l'école primaire: une ingénierie didactique pour le développement d'une ressource. Paris-Diderot - Paris VII, French. 2013. Consulté à l'adresse. Disponível em :. Acesso em 20 set. 2018.




DOI: https://doi.org/10.23925/1983-3156.2019v21i5p246-256

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


INDEXADORES DA REVISTA