“O grito no rito”: sedução e “convite amoroso” em Lavoura arcaica de Raduan Nassar

Rafael Quevedo

Resumo


O convite amoroso é um topos da poesia tradicional associado a um antigo esquema retórico-poético que posiciona o amante no lugar daquele que exorta a amada, por meio de argumentos e exemplos, a ceder à sua investida amorosa com a urgência ditada pela impetuosidade do desejo erótico. Esse topos esteve ligado ao tema da passagem do tempo e a um sistema metafórico que se vale de componentes da natureza que funcionam como símiles da efemeridade da vida e que arrasta consigo beleza e jovialidade, valores atrelados à urgência do pleito amoroso. Em Lavoura arcaica o protagonista André situa-se no lugar do articulador de uma variação da retórica do convite erótico em cujo discurso ocorre uma retomada de certos elementos do esquema tópico tradicional reelaborados, porém, a partir de transgressões e modulações específicas, condizentes com o espírito do romance e certas peculiaridades da visão do personagem. Propõe-se, portanto, uma leitura da fala de André dirigida à irmã no capítulo 20 do referido romance tendo como parâmetro o “convite amoroso” de modo a refletir sobre as apropriações e rasuras realizadas pelo narrador com relação ao referido topos poético.


Palavras-chave


Convite amoroso; Sedução; Lavoura arcaica

Texto completo:

PDF

Referências


CAIRNS, Francis. Generic composition in Greek and Roman poetry. Revised Edition. Michigan Classical Press, 2007.

CAMÕES, Luís de. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2003.

CAMPOS, Augusto de. O anticrítico. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

CAMPOS, Augusto de. Verso reverso controverso. São Paulo: Perspectiva, 1988.

CURTIUS, Ernst Robert. Literatura europeia e Idade Média latina. Tradução de Teodoro Cabral. São Paulo: EdUSP, 2013.

DETIENNE, Marcel. Dioniso a céu aberto. Tradução: Carmem Cavalcanti. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor: 1988

DODDS, E. R. “Introduction”. In: EURIPIDES. Bacchae. Edited whith Introdution and Commentary by E. R. Dodds. 2 ed. Oxford: University Press, 1960.

HORÁCIO. Odes. Tradução de Pedro Braga Falcão. Lisboa: Livraria Cotovia, 2018.

LARANJEIRA, Mário (seleção, apresentação e tradução). Poetas franceses da Renascença. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

LIICEANU, Gabriel. Da sedução. Tradução de Elpídio Mário Dantas Fonseca. Campinas: Vide Editorial, 2014.

NASSAR, Raduan. Lavoura arcaica. São Paulo: Companhia das letras, 2009.

RAGUSA, Giuliana. Lira grega. Antologia de poesia arcaica. São Paulo: Hedra, 2013.

RODRIGUES, André Luís. Ritos da paixão em Lavoura arcaica. São Paulo: EdUSP, 2006.

ZILLY, Berthold. “Lavoura arcaica ‘lavoura poética’ lavoura tradutória: historicidade, atualidade e transculturalidade da obra-prima de Raduan Nassar”. Revista Estudos Sociedade e Agricultura, Rio de Janeiro, vol. 17, n. 1, 2009: 5-59.




DOI: https://doi.org/10.23925/poliética.v8i2.50931

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Indexadores: LivRe; Sumários.org; Latindex