Bakhtin contra darwinianos e cognitivistas

Autores

  • Ken Hirschkop University of Waterloo

Palavras-chave:

Ciência cognitiva, Steven Pinker, Corpos, Idealismo, Discurso do outro

Resumo

Este artigo se inicia com uma crítica à teoria da linguagem defendida pelos cientistas cognitivistas, tal como Steven Pinker (O instinto da linguagem), que descrevem, em termos gramaticais, a complexidade da linguagem humana. Suas explicações sobre a pragmática da linguagem, contudo, são demasiadamente simplistas. Pinker é visto como um idealista, em parte porque imagina o contexto de fala apenas enquanto informação compartilhada, negligenciando, desse modo, a complexidade representada pelas condições enunciativas, bem como por ver a linguagem enquanto dados a serem processados entres duas máquinas computacionais sem corpos. Examinam-se, então, as diferentes posições de Bakhtin sobre a linguagem. Para ele, as pessoas falam com seus corpos e não apenas com seu cérebro. Diferentemente de Pinker ou Saussure, Bakhtin não acreditava que temos dicionários em nossas cabeças, que são consultados quando bem desejarmos. Para Bakhtin, a experiência da linguagem consiste não em uma série de posições tomadas, mas em uma série de tentativas fracassadas para encontrar uma posição, porque não há posição disponível na qual atenderíamos às exigências que são colocadas sobre nós. Ao ressaltar o discurso do outro e a linguagem, Bakhtin é um realista e propicia um contraponto útil para as posições ingênuas e idealistas tomadas por alguns cientistas cognitivistas.

Metrics

Carregando Métricas ...

Publicado

2015-11-16

Como Citar

Hirschkop, K. (2015). Bakhtin contra darwinianos e cognitivistas. Bakhtiniana. Revista De Estudos Do Discurso, 11(1), Eng. 152–164 / Port. 173. Recuperado de https://revistas.pucsp.br/index.php/bakhtiniana/article/view/24722

Edição

Seção

(2) Bakhtin e nosso tempo