O caso da memorização de tabuadas de multiplicação

Gabriel Loureiro Lima, Maria Cristina S. de A. Maranhão

Resumo


Neste trabalho, inicialmente apresenta-se uma breve trajetória do ensino de multiplicação e de tabuadas no Brasil, destacando-se as diferentes maneiras postuladas pelas tendências educacionais de cada época para a abordagem destas temáticas. Em seguida, discute-se aquilo que efetivamente – em congruência ou não com os ideários educacionais do momento - se passou, no que diz respeito ao ensino de multiplicação e de tabuadas, a partir da década de 1970, nas salas de aula do Brasil e da França, país que durante muito tempo exerceu grande influência no cenário da educação brasileira. Posteriormente, faz-se uma reflexão, baseada nas considerações trazidas pelos Parâmetros Curriculares Nacionais dos primeiros anos do Ensino Fundamental, a respeito de questões fundamentais para o desenvolvimento do pensamento multiplicativo dos alunos deste nível educacional. Apresenta-se então alguns recursos aos quais os professores podem recorrer no intuito de auxiliar seus alunos a desenvolver o pensamento multiplicativo. Dentre outros, destacam-se as tabelas de multiplicação, as “máquinas” baseadas em leis de transformação e os jogos. Discute-se ainda alguns aspectos a serem levados em consideração pelos professores no momento em que estes optam por trabalhar determinado conteúdo por meio de jogos para que esta estratégia tenha, efetivamente, chances de trazer ganhos para o estudante. Finalmente, conclui-se o artigo por meio de uma discussão referente à memorização de tabuadas, na qual destaca-se que, embora este não deva ser o foco do processo de ensino e de aprendizagem, esta memorização teve e tem seu lugar e momento no currículo de Matemática dos primeiros anos do Ensino Fundamental.


Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais

Indexadores:

      

  


Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusiva dos autores.


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional