M-LEARNING COMO MODALIDADE DE ENSINO: A UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO ESTATÍSTICA FÁCIL NO ENSINO MÉDIO

Wesley da Silva Martins, Norma Suely Gomes Allevato, Karen Moreira Dias, Juliano Schimiguel, Célia Maria Carolino Pires

Resumo


As tecnologias digitais estão modificando a maneira como nos comportamos e, consequentemente, como aprendemos. Devido à necessidade que se tem hoje de inserir essas tecnologias na educação, o mobile learning, ou m-learning, surge como uma modalidade de ensino em que os dispositivos móveis se constituem em recursos para a aprendizagem. Desta forma, este trabalho tem por objetivo analisar uma experiência realizada em sala de aula envolvendo o m-learning, utilizando o aplicativo Estatística Fácil. A pesquisa realizada teve abordagem qualitativa, constituindo-se em um estudo de caso, a partir de uma experiência realizada com alunos de uma turma de 3ª série do Ensino Médio de uma escola estadual de São Paulo. O uso do aplicativo motivou os alunos a participarem das aulas, demonstrando maior interesse na aprendizagem dos conteúdos e criticidade no processo de resolução dos exercícios propostos. 


Palavras-chave


Mobile learning; Ensino Médio; Estatística

Texto completo:

PDF

Referências


BATISTA, S. C. F. M-Learnmat: Modelo pedagógico para atividades de m-learning em matemática. 225 f. Tese (Doutorado em Informática na Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação. Tradução de M. J. Alvarez; S. B. Santos; T. M. Baptista. Porto: Porto Editora Ltda, 1994.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Proposta preliminar. Segunda versão revista. Brasília: MEC, 2016.

FONSECA, A. Aprendizagem, mobilidade e convergência: Mobile Learning com Celulares e Smartphones. Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Mídia e Cotidiano, Artigos Seção Livre, n. 2, p. 163-181, jun. 2013.

GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. Rio de Janeiro: Record, 2006.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Acesso à internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal: 2015 / IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento. Rio de Janeiro: IBGE, 2016. 87 p.

MACHADO, O. J. N. Usabilidade da interface dos dispositivos móveis: heurísticas e diretrizes para o design. 118 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Computação e Matemática Computacional) – Universidade de São Paulo, São Carlos, 2013.

MÜLBERT, A. L.; PEREIRA, A. T. C. Um panorama da pesquisa sobre aprendizagem móvel (m-learning). In: Associação Brasileira de Pesquisadores em Cibercultura, 2011, Florianópolis. Anais do V Simpósio Nacional da ABCiber. Disponível em: <http://abciber.org.br/simposio2011/anais/Trabalhos/artigos/Eixo%201/7.E1/80.pdf

>. Acesso em 15 abr. 2017.

RIBEIRO, P. M. S. Aplicativos para o ensino de Estatística: avaliação e reflexões sobre seu uso. In: SORTO, M. A. (Ed.). Advances in statistics education: developments, experiences and assessments. Proceedings of the Satellite conference of the International Association for Statistical Education (IASE). Rio de Janeiro, jul. 2015.

SACCOL, A.; SCHLEMMER, E. & BARBOSA, J. M-learning e u-learning: novas perspectivas da aprendizagem móvel e ubíqua. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2011.

TAROUCO, L. M. R. et al. Objetos de Aprendizagem para M-Learning. Florianópolis: SUCESU - Congresso Nacional de Tecnologia da Informação e Comunicação, 2004. Disponível em . Acesso em 15 abr. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Ensino da Matemática em Debate. ISSN ISSN 2358-4122

Indexadores:

      

  


Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusiva dos autores.


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional