APRENDIZAGEM COOPERATIVA TUTORIA ENTRE IGUAIS: estabelecendo competências e conceitos no Ensino de Matemática Básica

Roselha Silva Machado, Leonardo Baltazar Cantanhede, Severina Coelho da Silva Cantanhede

Resumo


O ensino de Matemática possui na atualidade, o desafio de buscar diversificar as metodologias de ensino, podendo assim, contribuir com a diversidade de necessidades educativas apresentadas pelos alunos. Nesse contexto, é importante a utilização de estratégias pedagógicas de ensino que possibilitem aos estudantes uma maior participação no processo de ensino-aprendizagem, organizando o conhecimento em conjunto com o professor. Os métodos cooperativos de aprendizagem, por exemplo, representam uma metodologia construtivista que pode auxiliar no ensino de conteúdos matemáticos, tornando-o mais dinâmico e auxiliando o aluno a desenvolver habilidades interpessoais que o ajudarão a viver melhor em sociedade. Neste trabalho, foi utilizado o método de aprendizagem cooperativa: Tutoria entre iguais, para verificar as possíveis contribuições da Aprendizagem Cooperativa na melhoria do processo de alfabetização Matemática de estudantes com dificuldades em Matemática básica, em uma turma do 4º ano do ensino fundamental, partindo do pressuposto de que atividades cooperativas podem favorecer uma relação positiva entre os envolvidos no processo de ensino e aprendizagem, como também na aquisição, por parte dos alunos, de habilidades sociais e conhecimentos relacionados aos conteúdos abordados. Uma atividade diagnóstica e outra avaliativa sobre os conteúdos matemáticos trabalhados, foram utilizadas como parâmetro avaliativo do método cooperativo utilizado. Os resultados apontam que, após a utilização do método de aprendizagem cooperativa: Tutoria entre Iguais, o percentual de aproveitamento e entendimento dos conteúdos matemáticos abordados, passou de cerca de 32%, antes da aplicação do método, para 85%. A aplicação do método contribuiu ainda para as relações interpessoais dos alunos, com a aquisição de competências sociais como o desenvolvimento social, afetivo, motivacional, cognitivo e as relações cooperativas. Portanto, esses resultados apontam, que método cooperativo Tutoria entre Iguais trouxe benefícios no processo de ensino e aprendizagem, tanto dos conteúdos matemáticos abordados, quanto na obtenção de habilidades sociais.

Palavras-chave


Aprendizagem Cooperativa; Tutoria entre Iguais; Ensino de Matemática.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, W. M.; COLARES, G. S.; COSTA, M. R. Uma Análise sobre as dificuldades dos alunos nas operações fundamentais. In: V Congresso Nacional de Educação – CONEDU. Olinda – PE, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular - Educação é a Base: Ensino Fundamental. 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf, acessado em 08/10/2019.

BRIGHENTI, J.; BIAVATTI, V. T.; SOUZA, T. R. de. Metodologias de ensino-aprendizagem: uma abordagem sob a percepção dos alunos. Revista GUAL. v.8, n.3, p. 281-304, 2015.

CÂNDIDO, J. P.; FREITAS, S. L. Avaliação da aprendizagem: instrumento de controle ou de mediação? EMD – Ensino de Matemática em Debate. v. 5, n. 1, p. 18–26, 2018.

COCHITO, M. I. G. S. Cooperação e Aprendizagem: Educação Intercultural. Porto. ACIME — Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas, p. 35- 97, 2004.

DANT, L. R. Alfabetização Matemática. 2ª Ed. São Paulo: Ática, p. 440, 2014.

DIAS, G. R.; BENTO, J. I. M.; CANTANHEDE, S. C. S.; CANTANHEDE, L. B. Textos de Divulgação Científica como uma Perspectiva para o Ensino de Matemática. Educação Matemática Pesquisa, v. 19, p. 291-313, 2017.

DURAN, D. Tutoria entre iguais e aprendizagem cooperativa. Revista Pátio. v. 11, n. 41, p. 12-15, 2007.

FERNANDES, W. L.; COSTA, C. S. L. Possibilidades da tutoria de pares para estudantes com deficiência visual no ensino técnico e superior. Revista Brasileira de Educação Especial. v. 21, n. 1, p. 39-56, 2015.

GUEDES, M. G. de M.; BARBOSA, R. M. N.; JÓFILI, Z. M. S. Aprender Ciências em grupo: o que os alunos pensam? In: Anais do VI encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 2007, Florianópolis.

GONÇALVES, L. M. P. A Aprendizagem Cooperativa Contributo para a melhoria das competências cognitivas e sociais de alunos com e sem N.E.E. 84 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. Vila Real – Portugal. 2010.

JOHNSON, D. W.; JOHNSON, R. T.; SMITH, K. A. A Aprendizagem Cooperativa retorna às Faculdades. Qual é a evidência de que funciona? In: FREED, S. Pensar, Dialogar a Aprender, 2000. Disponível em: http://www.crede02.seduc.ce.gov.br/index.php/downloads/category/34-documentos?download=577:aprendizagem-colaborativa. Acesso em: 21 jan. 2019.

JOHNSON, D.; MYKLEBUST, H. R. Distúrbio da Aprendizagem. Biblioteca Pioneira de Ciências Sociais, 5 ed. EDUSP, 2007

LOPES, J.; SILVA, H. S. A aprendizagem cooperativa na sala de aula: um guia prático para o professor. Lisboa. Lidel, 2009.

LUCENA, C. O Pensamento Educacional de Émile Durkheim. Revista Histedbronline, n. 40, p. 295-305, 2010.

MAIOR, L.; TROBIA, J.; Tendências Metodológicas de Ensino-Aprendizagem em Educação Matemática: Resolução de Problemas – Um caminho. 2009. disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1785-8.pdf, acessado em 17/05/2019.

MONEREO, C.; GISBERT, D. D. Tramas: Procedimentos para a Aprendizagem Cooperativa. Porto Alegre, Ed. Artmed, 2005.

RAMOS, M. L. P. D. A importância da análise didática dos erros matemáticos como estratégia de revelação das dificuldades dos alunos. Revista Eletrônica de Educação Matemática - REVEMAT. v.10, n. 1, p. 132‐149, 2015.

RIOS. S. C. G. S. Reflexões Sobre a Implicação da Avaliação no Processo Ensino/Aprendizagem. REVASF - Revista de Educação da Universidade Federal do Vale do São Francisco. v. 6, n.11, p. 102-114, 2016.

SILVA, G. B. da; TEODORO, D. L., QUEIROZ, S. L. Aprendizagem cooperativa no ensino de Ciências: uma revisão da literatura. Investigações em Ensino de Ciências. v. 24, n. 3, p. 1-30, 2019.

SILVA, J. L. C; SALAZAR, J; POÇAS, E. M. Trabalho Cooperativo Como Finalidade E Estratégia De Aprendizagem. Um Estudo De Caso Em Biologia Humana. Interacções. n. 39, p. 485-510, 2015.

SILVA, M. A. da; CANTANHEDE, L. B.; CANTANHEDE, S. C. S. Aprendizagem cooperativa: método Jigsaw, como facilitador de aprendizagem do conteúdo químico separação de misturas. Revista ACTIO: Docência em Ciências. v. 5, n. 1, p. 1-21, 2020.

SILVA, M. E. B. da.; NUNES, J. M. V. Alfabetização matemática e as dificuldades de compreensão no campo aditivo. EMD – Ensino de Matemática em Debate. v. 3, n. 2, 2016.

TORRES, N. L.; SOARES, T. S.; CONCEIÇÃO, F. H. G. Dificuldade de aprendizagem: além do Muro Escolar. In. Anais do II Encontro Científico Multidisciplinar. Fama – Faculdade Amadeus. Aracaju/SE, 2016. Disponível em: http://faculdadeamadeus.com.br/graduacao/Web/content/content-anais/encontro-multidisciplinar/attachments/download/DIFICULDADE%20DE%20APRENDIZAGEM%20alem%20do%20Muro%20Escolar.pdf

VASCONCELOS, A. L. F. S.; SILVA, M. F. N.; LIMA, C. A.; MELO, E. A. T. Uma reflexão da aprendizagem cooperativa como estratégia de ensino para a formação dos contadores. RIC - Revista de Informação Contábil. v. 2, n. 1, p. 72-83, 2007.




DOI: https://doi.org/10.23925/2358-4122.2020v7i2p89-107

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Ensino da Matemática em Debate

Indexadores:

      

  


Os artigos publicados não expressam necessariamente a opinião da revista e são de responsabilidade exclusiva dos autores.


Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional