LYGIA FAGUNDES TELLES E EDGAR ALLAN POE: DIÁLOGOS INTERTEXTUAIS

Ana Luiza Silva Camarani, Paulo Sérgio Marques

Resumo


Se levarmos em conta que a narrativa fantástica estruturou-se como uma categoria literária a partir do romantismo europeu, constataremos que há mais de dois séculos faz parte integrante da história literária ocidental. Por razões diversas, que dizem respeito às flutuações da moda, da políti-ca ou da história, ora participa da movimentação cultural e social, ora se eclipsa. Na literatura brasileira contemporânea, Lygia Fagundes Telles vem resgatar a literatura fantástica, inovando-a, ao mesmo tempo em que se volta para a tradição da categoria. Essa recuperação é feita pelo procedi-mento da intertextualidade, por meio de alusões a narrativas fantásticas dos séculos XIX e XX; dentre elas, destaca-se o diálogo intertextual que elabora com a obra de Edgar A. Poe, estabelecendo um espaço do encontro entre formações discursivas: do autor/narrador, do leitor e da tradição literária.

Palavras-chave


Literatura comparada; narrativa fantástica; conto; intertextualidade

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em:

Apoio: