Cartografia da infância: exercício de releitura de A idade do serrote, de Murilo Mendes

Francisco Thiago Camêlo

Resumo


O presente trabalho desafia as leituras tradicionais da obra de Murilo Mendes, A idade do serrote (1968), e investiga a força de uma “infância da linguagem” associada à escrita muriliana.  Para este exercício, discutem-se alguns capítulos do livro de memórias de Murilo em diálogo com proposições filosóficas de Gilles Deleuze, Giorgio Agamben, Jean-François Lyotard e Walter Benjamin. Ao promover o encontro entre escrita artística e pensamento filosófico, o artigo busca mostrar a produtividade da infância como operador discursivo.


Palavras-chave


Infância; Murilo Mendes; Escrita

Texto completo:

PDF

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 FronteiraZ : Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

FronteiraZ está indexada em: